“É necessário quebrar os padrões, é necessário abrir discussões...”: Docências, dissidências de gênero e sexualidades

Human rights, teaching and gender and sexuality dissidences

Autores

  • Ariane Rafaela de Freitas Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE
  • Patrícia Fortes de Almeida Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v7i3.2088

Palavras-chave:

Direitos Humanos, Docências dissidentes, Ensino, Estudos de gênero, Sexualidades

Resumo

Neste artigo temos como objetivo investigar as interfaces entre docências e dissidências em gênero e sexualidades na escola e os Direitos humanos. Partimos do pressuposto de que estudantes, professoras e professores LGBTQIAP+, vivenciam desafios em suas trajetórias no contexto escolar, em função de dispositivos de regulação que atravessam seus percursos, de violações e violências enfrentadas. Contudo, estas/estes estudantes e docentes também subvertem a ordem de gênero e sexualidade compulsórias que é inculcada cotidianamente, possibilitando a tessitura de outras trajetórias escolares e docências dissidentes. Metodologicamente, realizamos uma pesquisa bibliográfica a partir das reflexões interseccionais da autora lesbofeminista Audre Lorde, bem como de autoras/es pós-estruturalistas e vinculadas/os às Teorias do Discurso, entre as/os quais: Judith Butler, Nancy Fraser e Michel Foucault. Concluímos que ao questionarem a heteronormatividade e as normas compulsórias de gênero, esses/essas estudantes e docentes desnaturalizam práticas e processos, abrindo discussões necessárias à emergência e reconfiguração de outros discursos, conhecimentos, sujeitas/sujeitos e práticas no contexto escolar.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Bento, B. (2017). Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador, EDUFBA.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para o Ensino fundamental /Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para o Ensino médio /Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2018.

Butler, J. (2016). Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Caetano, M. (2016). Performatividades reguladas: heteronormatividade, narrativas biográficas e educação. Curitiba: Appris.

Candau, V. M. (2008). Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 37, p. 45-56.

Crenshaw, K. (2002). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas. Florianópolis,vol. 10, n. 1, pp.171-188. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011> Acesso em 05 de junho de 2021.

Cury, M.; Paula, P. A. G.; Marçura, J. N. (2002). Estatuto da criança e do adolescente anotado. 3ª ed., rev. E atual. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Foucault, M. (2008). Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2004). Sexualidade e poder. In: FOUCAULT, Michel. Ética, Sexualidade, Política. Col. Ditos e Escritos V. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004, pp.56-76.

Foucault, M.(2003). Poder e saber. In: Ditos e Escritos IV: Estratégia, Poder-Saber. Rio de Janeiro, Editora Forense Universitária, 2003.

Foucault, M. (1995). O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: (para além do estruturalismo e da hermenêutica). Tradução de Vera Portocarrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, pp. 231-249.

Fraser, N. ( 2015). “Los usos y abusos de las teorías francesas del discurso para la política feminista”. Diferencia(s): revista de teoria social contemporánea, v.1. n. 1, 2015, pp. 179-199. Disponível em: <http://www.revista.diferencias.com.ar/index.php/diferencias/issue/viewIssue/1/2>. Acesso em: 05 mai. 2016.

Freitas, A. R.; Alves, I. N. C.; Santos, P. P. N.; Souza, R. C. (2017). Gênero, Sexualidade e Educação: Professoras Lésbicas e Bissexuais no Magistério. in: Anais do III Seminário Internacional do Observatório dos Movimentos Sociais na América Latina - SIOMSAL. Educação, Movimentos Sociais e Direitos Humanos: Epistemologias Subversivas - Vol.5. Caruaru - PE. Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/1ECQJt1iu7GE0YBsPXwRysI-0Iy6A3HPu/view> Acesso em: 31/08/2021.

Furlani, J. (2011). Educação sexual na sala de aula: relações de gênero, orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Hooks, B. (2000). Eros, erotismo e o processo pedagógico. in: LOURO, Guacira Lopes (org.). O Corpo educado. Belo Horizonte: Autêntica.

Lorde, A. (2007). Sister outsider: essays and speeches. Berkeley, Crossing Press.

Lorde, A. (1981). I am your sister: Collected and Unpublished writings of Audre Lorde. Oxford University Press.

Lorde, A. (2012). Transformação do Silêncio em Linguagem e Ação. Sister Outsider. Ensaios e conferências, 1984. In: HERÉTICA DIFUSÃO LESBOFEMINISTA. Textos escolhidos de Audre Lorde.

Loura, G. L. (2003). A Construção Escolar das Diferenças. in: Gênero, Sexualidade e Educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Editora Vozes.

Maciel, P. D. (2017). Os desafios de ser professora e lésbica nas escolas: a arte de viver e produzir o gênero na docência. Revista de estudos indisciplinares em gêneros e sexualidade. Salvador, n. 4, v.1. 2015. Disponível em: <https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/15433/10572>. Acesso em: 2 de maio de 2017.

Miskolci, R. (2012). Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Coleção: Cadernos da Diversidade (Volume 6). Belo Horizonte, Autêntica.

Rich, A.(2010). Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Tradução de Carlos Guilherme do Valle. Revista Bagoas, Natal, n. 5, pp. 17-44.

Silva, A. M. M. (2010). Direitos Humanos na Educação Básica In: SILVA, Aida Maria Monteiro. TAVARES, Celma (Orgs.). Políticas e fundamentos da educação em direitos humanos. São Paulo: Cortez.

Souza, Robson.(2013). Mulheres evangélicas e práticas religiosas: uma análise comparativa na perspectiva de gênero. 189p. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível em:< www.minerva.ufrj.br/>. Acesso em: 19 nov. 2013.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-07-02

Como Citar

Freitas, A. R. de, & Almeida, P. F. de. (2022). “É necessário quebrar os padrões, é necessário abrir discussões.”: Docências, dissidências de gênero e sexualidades: Human rights, teaching and gender and sexuality dissidences. Diversitas Journal, 7(3). https://doi.org/10.48017/dj.v7i3.2088

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.