O núcleo de gênero e o empoderamento feminino no IFPE: contribuições dos documentos e da literatura

Autores

  • Maria Aparecida Cruz IFPE- Instituto Federal Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Campus Olinda (PE), Brasil
  • Bernardina Santos Araújo de Sousa IFPE- Instituto Federal Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Campus Olinda (PE), Brasil https://orcid.org/0000-0002-8719-1588

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v9i2.2852

Palavras-chave:

Formação humana Integral, empoderamento feminino, Neged no IFPE

Resumo

O presente artigo representa uma fração de uma dissertação de mestrado, com recortes da pesquisa bibliográfica e documental, estabelecido sobre uma investigação vinculada à Linha de Pesquisa: Organização e Memória dos Espaços em Educação Profissional e Tecnológica. A pesquisa tem como objetivo: analisar, a partir dos documentos e da literatura, as contribuições do Núcleo de Estudos de Gênero, Educação e Diversidade – Neged do IFPE à construção do Empoderamento Feminino. Para tal fim, estabeleceu-se um profícuo diálogo com a genealogia desse espaço, considerando a tecitura da sua criação e todo o corpus documental criado, no sentido de corroborar com uma perspectiva da educação profissional tecnológica, referendada na Formação Humana Integral na direção da omnilateralidade, estruturada na dimensão que reúne o pensar e o fazer na mesma estrutura educacional. Os resultados apontados são promissores, nesse sentido, sinalizando um processo já deflagrado nos diversos campi do IFPE, no sentido de atender aos propósitos apontados no campo teórico e na documentação.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Aparecida Cruz, IFPE- Instituto Federal Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Campus Olinda (PE), Brasil

0000-0002-6116-619X; Mestranda do ProfEPT - Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional do IFPE- Instituto Federal Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Campus Olinda (PE), Brasil. E-mail: cidacruz@reitoria.ifpe.edu.br

Bernardina Santos Araújo de Sousa, IFPE- Instituto Federal Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Campus Olinda (PE), Brasil

0000-0002-8719-1588; Professora, doutora, docente e pesquisadora ProfEPT - Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional do IFPE- Instituto Federal Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Campus Olinda (PE), Brasil. E-mail: bernardina.araujo@belojardim.ifpe.edu.br.

Referências

Antas, R. C. (2017). Núcleos de estudos de gênero e enfrentamento da violência contra mulher: a experiência do Instituto Federal de Pernambuco. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos). ISSN 2179-510X.

Antas, R. C (2018). Perspectiva de gênero na escola: vivências a partir de uma política pública do estado de Pernambuco. 2018. 146 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade de Pernambuco, 2018.

Antas, R. C., & Arantes, A. S. (2021). Funcionamento e efetividade dos núcleos de estudos de gênero e enfrentamento da violência contra mulher em Pernambuco. Revista Panorâmica – ISSN, 34, p. 2238-9210 - v. 34 – set./dez. 2021.

Baquero, R. V. A. (2012). Empoderamento: instrumento de emancipação social? – uma discussão conceitual. Revista Debates, 6(1), p. 173-187, jan.-abr. 2012.

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE). (2021). Resolução nº 65 de 20 de janeiro de 2021. https://www.ifpe.edu.br/o-ifpe/extensao/politicas-inclusivas/resolucao-65-2021-aprova-o-regulamento-dos-nucleos-de-estudos-de-genero-e-diversidade-negeds-do-ifpe-1-1.

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE). (2015). Plano de desenvolvimento institucional 2014–2018. Recife: IFPE, 2015a. http://www.ifpe.edu.br/o–ifpe/desenvolvimento–institucional/pdi/pdi–completo–2014– 2018.pdf.

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE). (2015) Resolução IFPE/CONSUP nº 39/2015. Recife: IFPE, 2015c. https://www.ifpe.edu.br/o-ifpe/conselho-superior/resolucoes/resolucoes-2015/resolucao39-2015-aprova-politica-de-utilizacao-do-nome-social.

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE). (2012). Projeto Político Pedagógico Institucional do IFPE. Recife: IFPE, 2012. https://www.ifpe.edu.br/o-ifpe/ensino/documentos-norteadores/projeto-politico-pedagogico-institucional-pppi-_2009-2013.pdf.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). (2018). Fórum Brasileiro de Segurança Pública (Org.). Atlas da violência 2018. Ipea; FBSP, 2018.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). (2018). Brasil em desenvolvimento: Estado, planejamento e políticas públicas. Ipea, 2018.

Lima Júnior, I. A. (2021). O Núcleo de Gênero e Diversidade e a população LGBTQIA+: rupturas, avanços e tensões no cotidiano de um Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Dissertação (Mestrado) - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco - IFPE, Campus Olinda, Coordenação Local Profept/IFPE - Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica.

Louro, G. L. (1994). Uma leitura da história da educação sob a perspectiva do gênero. Porj. História.

Louro, G. L. (2023). Conhecer, pesquisar, escrever. Educação, Sociedade & Culturas, nº 25, 2007, 235-245. https://www.fpce.up.pt/ciie/revistaesc/ESC25/Arquivo.pdf.

Pernambuco. Secretaria da Mulher. (2014). Núcleos de Estudos de Gênero e Enfrentamento da Violência Contra as Mulheres de Pernambuco. A Secretaria.

Pernambuco. Secretaria da Mulher. (2014). Gênero e Educação: Caderno da Igualdade nas Escolas. A Secretaria.

Pernambuco. Secretaria da Mulher. (2023). Anuário da Secretaria da Mulher, Revista 8 de Março, Ano 10, Pernambuco. http://www2.secmulher.pe.gov.br/c/document_library/get_file?uuid=5ba311fd-4e01-4b35-9d2f-b0bc6db81825&groupId=30863.

Princípios de Yogyakarta. (2023). princípios sobre a aplicação da legislação internacional de direitos humanos em relação à orientação sexual e identidade de gênero. Tradução Jones de Freitas. jul. 2007. http://www.dhnet.org.br/direitos/sos/gays/principios_de_yogyakarta.pdf.

Ramos, M. (2014b). História e política da educação profissional. 1. ed. E-book. (Coleção formação pedagógica, v. 5).

Saviani, D. (2003). O choque teórico da politecnia. Trabalho, educação e saúde, 1(1), p.131-153.

Scott, J. (2019). Fantasias do milênio: o futuro do gênero no século XXI. Cad. Gên. Tecnol., 12(39), 319-339, jan./jun.

SOUSA Jr., J. (1999). Politecnia e omnilateralidade em Marx. Trabalho & Educação. NETE, jan/jul, n. 5, p. 98-114.

Vianna, C. (2004). O gênero nas políticas públicas de educação no Brasil: 1988-2002. Cadernos de Pesquisa, 34(121), p. 77-104.

Publicado

2024-06-15

Como Citar

Cruz, M. A., & Santos Araújo de Sousa, B. (2024). O núcleo de gênero e o empoderamento feminino no IFPE: contribuições dos documentos e da literatura. Diversitas Journal, 9(2). https://doi.org/10.48017/dj.v9i2.2852

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.