Ensino, sensibilização e prevenção das parasitoses intestinais em turmas do ensino médio em uma escola da rede pública de Xexéu-PE

Autores

  • Jhonata Ribeiro Centro Universitário Cesmac
  • Rodrigo Ferreira Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas
  • Mauricio dos Santos Centro Universitário Cesmac
  • Paulyanne Karlla Araújo Centro Universitário Cesmac
  • Claudia Calheiros Universidade Federal de Alagoas
  • Thiago José Matos Rocha Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.1242

Resumo

Introdução: As parasitoses intestinais, são infecções causadas por protozoários e helmintos, afetam mais da metade da população mundial. Objetivo: Neste estudo foi verificado os aspectos socioeconômicos, conhecimento das principais doenças parasitárias, fatores associados na transmissão e profilaxia das principais verminoses humanas entre estudantes de uma escola pública do município de Xexéu-PE. Metodologia: Para avaliar o conhecimento dos alunos, foi aplicado um questionário com perguntas, adequando à linguagem cientifica a popular, participaram da pesquisa 327 alunos do ensino médio com idade entre 14 a 18 anos, sendo que 40,98% do gênero masculino e 59,02% do gênero feminino. Resultados: Nota-se que 85,32% tem hábito de comer frutas, verduras e legumes crus, 71,25% não lavam as mãos antes de comer, todos os alunos apontaram para a presença de vetores como baratas e moscas em suas residências. Com relação ao conhecimento das verminoses humanas, pode-se constatar que 41,28% afirmam não saber o que são parasitos intestinais, 83,18% informaram que já ouviu falar em algum tipo de verminoses, 76,15% responderam que já ouviu falar da esquistossomose e ascaridíase, 67,28% relataram que ascaridíase, esquistossomose, ancilostomíase, enterobíase, e teníase são doenças causadas por vermes e 43,12% responderam que são dor abdominal, náuseas e vômitos são suspeitas que esteja com verminoses. Conclusão: Com isso, é necessária a utilização de atividades educacionais pertencente à higiene, medidas profiláticas e educação em saúde sejam aplicadas no cotidiano dos alunos promovendo o bem-estar da população.

Referências

ANDRADE, E.C. et al. Parasitoses Intestinais: Uma Revisão Sobre Seus Aspectos Sociais, epidemiológicos, Clínicos E Terapêuticos. Revista de Atenção Primária à Saúde, Juiz de Fora, v. 13, n. 2, p. 231-240, 2010.

BARBOSA, V. A.; VIEIRA, F. O. Educação sanitária como prática de prevenção de parasitoses intestinais em creches. Acervo da Iniciação Cientifica, Belo Horizonte, Minas Gerais, n.1, 2013.

BUSATO, M. A. et al. Relação de parasitoses intestinais com as condições de saneamento básico. Ciência, Cuidado e Saúde, Maringá – PR, v. 13, n. 2, p. 357-363, 2014.

DIAS, D. S. et al. Fatores de riscos que contribuem para as parasitoses intestinais em crianças de 0 a 5 anos em Macapá – Amapá, Brasil. Revista ciência equatorial, v. 3, n. 1, p. 19-28, 2013.

FERRAZ, R. R. N. et al. Parasitoses intestinais e baixos índices de Gini em Macapá (AP) e Timon (MA), Brasil. Caderno de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.22, n.2, p.173-176, 2014.

FIRMO, W. C. A. et al. Estudo comparativo da ocorrência de parasitos intestinais no serviço de saúde pública e privado de Estreito - Maranhão. Revista de Biologia e Farmácia, Paraíba, v.06, n.01, p.85-93, 2011.

FREITAS, B. Q. et al. Levantamento dos principais parasitas presentes no município de Barra do Garças - Mato Grosso. Interdisciplinar: Revista Eletrônica da UNIVAR, Mato Grosso, v.2, n.12, p.32-36, 2014.

INCERTI, J. Prevalência de parasitoses intestinais entre crianças da comunidade indígena de Cacique Doble/RS. 35 f. Trabalho de Conclusão de curso (Especialização em Saúde Pública). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/78460. Acesso em 27 de julho de 2018.

LODO, M. et al. Prevalência de enteroparasitas na cidade de Bom Jesus dos Perdões. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v.20, n. 3, p. 769-777, 2010.

LOPES, I. L. L.; ZANI, T.; BORGES, F. V. S. Prevalência de parasitoses intestinais em crianças de uma Escola Pública em Cariacica – ES. Revista Sapientia- Bio XII, n. 12, p. 50-53, 2013.

MELO, A. R. et al. Ocorrência de parasitos em laudos parasitológicos de fezes de um laboratório privado do município de Bacabal-MA. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, Goiânia, v.11, n.21, p.3420-3430, 2015.

MENDES, A. DE A. R. Saúde escolar e educação integral: a relação entre as parasitoses intestinais e o desempenho escolar do aluno da Escola Municipal de Ensino Fundamental Roberto Turbay em Ariquemes – RO. 129 f. Dissertação (Mestrado)Universidade Federal de Rondônia, Porto velho, 2012. Disponível em: http://www.educacaointegralumbrasil.org.br/portfolio/dissertacoes-e-teses/. Acesso em 28 de julho de 2018.

NOLLA, A.C; CANTO, G. A. Relação entre ocorrência de enteroparasitoses em manipuladores de alimentos e aspectos epidemiológicos em Florianópolis. Caderno de Saúde Pública, Santa Catarina, v. 21, n. 2, p. 641-645, 2005.

ORLANDINI, M. R.; MATSUMOTO, L. S. Prevalência De Parasitoses Intestinais Em Escolares. 2009. Monografia de Conclusão de Curso – Universidade Estadual do Norte do Paraná, 2009.

REUTER, C. P. et al. Frequência de parasitoses intestinais: um estudo com crianças de uma creche de Santa Cruz do Sul-RS. CINERGIS, Santa Cruz do Sul, v.16, n.2, p.142-147, 2015.

ROCHA, T. J. M. et al. Aspectos epidemiológicos e distribuição dos casos de infecção pelo Schistosoma mansoni. Revista PanAmazônica de Saúde, Pará, v.7, n.2, p.27-32, 2016.

ROCHA, T. J. M; BRAZ, J. C; CALHEIROS, C. M. S. Parasitismo intestinal em uma comunidade carente de Barra de Santo Antônio, Estado de Alagoas. Revista Eletrônica de Farmácia, Goiânia, v.7, n.3, p.28-33, 2010.

SANTOS, F. S. et al. Prevalência de enteroparasitismo em crianças de comunidades ribeirinhas do município de Coari, médio Solimões, Amazonas, Brasil. Revista PanAmazônica de Saúde, Pará, v.1, n.4, p.23-28, 2010.

SANTOS, A. A.; SOUSA, M. J. F.; BARROS, V. L. L. Frequência de parasitos intestinais na U. I. M. Professora Magnólia Hermínia Araújo do município de Caxias- MA. Revista Humana ET AL, Maranhão, v.1, n. 1, p.95-113, 2014.

SETE, D. G. Proposta de intervenção para a redução das enteroparasitoses em instituição de educação em Belo Oriente - Minas Gerais. 53 F. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização Estratégia Saúde da Família). Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina. Núcleo de Educação em Saúde Coletiva. Belo Horizonte, 2015.

SILVA, A. M. B. et al. Ocorrência de enteroparasitoses em comunidades ribeirinhas do Município de Igarapé Miri, Estado do Pará, Brasil. Revista PanAmazônica de Saúde, Pará, v.5, n.4, p.45-51, 2014.

SILVA, A. O. et al. Epidemiologia e prevenção de parasitoses intestinais em crianças das creches municipais de Itapuranga-GO. Revista Faculdade Montes Belos, v.8, n.1, p.1-17, 2015.

SILVA, J. C. et al. Parasitismo por Ascaris Lumbricoides e seus aspectos epidemiológicos em crianças do Estado do Maranhão. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v.44, n.1, p.100-106, 2011.

SIMIÃO, C. M. et al. Prevalência de parasitoses intestinais em crianças de uma creche do município de Belo Horizonte, Minas Gerais. Revista Iniciação Científica, Minas Gerais, v.14, n.2, p.46-50, 2014.

VASCONCELOS, I. A. B. et al. Prevalência de parasitoses intestinais entre crianças de 4-12 anos no Crato, estado do Ceará: Um problema recorrente de saúde pública. Fortaleza (CE, Brasil). Acta scientiarum Health sciences, Maringá, v.33, n.1, p.35-41, 2011.

ZANOTTO, J. Ocorrência de parasitoses intestinais em pacientes atendidos em laboratório privado da cidade de Cascavel – Paraná. 45 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Título de Bacharel em Farmácia). Faculdade Assis Gurgacz. Cascavel-Paraná, 2015.Disponível em:http://www.fag.edu.br/upload/graduacao/tcc/55cb895d31cb6.pdf. Acesso em 27 de julho de 2018.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-01-01

Como Citar

da Silva , J. R. ., da Silva Ferreira, J. R. ., Correia, M. dos S. ., Magalhães, P. K. A. ., Calheiros, C. M. L. ., & Rocha, T. J. M. (2022). Ensino, sensibilização e prevenção das parasitoses intestinais em turmas do ensino médio em uma escola da rede pública de Xexéu-PE. Diversitas Journal, 7(1), 0463–0475. https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.1242

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>