Análise da distribuição espacial dos casos de leishmaniose tegumentar americana no estado de Goiás

Autores

  • Kassio Samay Ribeiro Tavares Universidade Federal de Goiás https://orcid.org/0000-0003-3248-5236
  • Iara Barreto Neves Oliveira Universidade Federal de Goiás
  • Carlos Eduardo Félix da Silva Universidade Federal de Goiás
  • Aldenira Matias de Moura Universidade Federal de Goiás, Biomédica
  • Muriel Vilela Teodoro Silva Universidade Federal de Goiás
  • Samuel de Oliveira Mendes Universidade Federal de Goiás
  • Murilo Barros Silveira Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública, Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.1852

Resumo

As leishmanioses são um conjunto de doenças endêmicas de países tropicais e subtropicais, classificadas como doenças tropicais negligenciadas, que estão entre as cinco doenças infecto-parasitárias de caráter emergencial. Na área da saúde, o geoprocessamento pode avaliar os riscos à saúde, mapear doenças, como as de notificação obrigatória, e colaborar para desenvolver planos de ação em saúde. Uma dessas formas de contribuição está justamente na possibilidade de identificação de locais de perigo, bem como, definir recursos e ações, o que fundamenta a construção de um sistema de vigilância epidemiológica com base territorial. Assim, o presente estudo tem como objetivo descrever a distribuição de casos de LTA no estado de Goiás no ano de 2019, bem como seus dados demográficos, geográficos e epidemiológicos. Foram selecionados como amostras casos de LTA notificados no estado de Goiás no ano de 2019, por meio de dados do Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN), que posteriormente foram tratados com o auxílio do programa Excel para a tabulação dos dados e do software de geoprocessamento Arcgis 10.7/ESRI como subsídio no georreferenciamento dos dados. Durante o ano de 2019, foram notificados 550 casos de LTA no estado de Goiás. De acordo com o mapeamento realizado, cerca de 43% dos municípios de Goiás apresentaram ao menos 1 caso da doença e no máximo 5 casos em 2019. Mais de 50% dos municípios não apresentaram casos da doença, estes, concentrados principalmente nas regiões Centro e Sul de Goiás.

Referências

ALVAR, J. et al. Leishmaniasis worldwide and global estimates of its incidence. PloS one, v. 7. 2012.

BATISTA, F. M. A. et al. Leishmaniose: perfil epidemiológico dos casos notificados no estado do Piauí entre 2007 e 2011. Rev Univap, v. 20, n. 35, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia Prático para o Controle das Geo-helmintíases. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

CAMPOS, S. S. et al. Perfil epidemiológico dos pacientes com leishmaniose tegumentar americana no município de Ilhéus -Bahia. Semina Cienc Biol Saúde, v. 38, n. 2, p. 155-164, 2017.

CHIARAVALLOTI-NETO, F. O geoprocessamento e saúde pública. Arq Ciênc da Saúde, v. 23, n. 4, p. 01-08, 2017.

COSTA, S. et al. Lutzomyia (Nyssomyia) whitmani s.l (Antunes & Coutinho, 1939) (Diptera: Psychodidae: Phlebotominae): geographical distribution and the epidemiology of American cutaneous leishmaniasis in Brazil—mini-review. Mem. do Inst Osw Cruz, v. 102, n. 3, p. 149–153, 2007.

COSTA, S.; RANGEL, E. Environmental suitability for Lutzomyia (Nyssomyia) whitmani (Diptera: Psychodidae: Phlebotominae) and the occurrence of American cutaneous leishmaniasis in Brazil. Parasit Vectors, v. 11, n. 4, p. 149-155, 2018.

FRANÇA, E. L. et al. Aspectos epidemiológicos da leishmaniose tegumentar americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil. Scientia Med, v. 19, n. 3, p. 103-107, 2009.

GONTIJO, B.; CARVALHO, M. L. R. Leishmaniose tegumentar americana. Rev Soc Bras Med Trop, v. 36, n. 1, p. 71-80, 2003.

GOTO, H.; LINDOSO, J. A. L. Current diagnosis and treatment of cutaneous and mucocutaneous leishmaniasis. Expert Rev Anti Infect Ther, v. 8, n. 1, p. 419-433, 2010.

GUIMARÃES, C. A. et al. Leishmania amazonensis promastigotes induce and are killed by neutrophil extracellular traps. Proc Natl Acad Sci, v. 106, n. 1, p. 6748-6753, 2009.

HINO, P. et al. Geoprocessamento aplicado à área da saúde. Revista Latino Enfermagem, v. 14, n. 6, p. 34-41, 2006.

KAWA, H. et al. A produção do lugar de transmissão da leishmaniose tegumentar: o caso da localidade Pau da Fome na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saud Public, v. 26, n. 4, p. 40-51, 2010.

LAN, Y. et al. Epidemiology of pandemic Influenza A/H1N1 virus during 2009–2010 in Taiwan. Virus Res. v. 117, n. 4, p. 46-54, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Abordagens Espaciais na Saúde Pública. v. 10, p. 136-175. 2006.

MOREIRA, R. et al. Nível de conhecimentos sobre leishmaniose tegumentar americana (LTA) e uso de terapias alternativas por populações de uma área endêmica da Amazônia do Maranhão, Brasil. Cad Saud Pública.v 18(1):187-95. 2002.

MURBACK, N. D. N. et al. Leishmaniose tegumentar americana: estudo clínico, epidemiológico e laboratorial realizado no Hospital Universitário de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. An Bras Dermatol, v. 86, n. 1, p. 55-63, 2011.

OLIVEIRA, D. A. S. et al. Perfil epidemiológico dos casos de leishmaniose tegumentar americana na serra da Meruoca, Ceará, no período de 2001 a 2012. Sanare, v. 13, n. 2, p. 36-41, 2014.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Diminuindo diferenças: a prática das políticas sobre determinantes sociais da saúde: documento de discussão. Rio de Janeiro: OMS; 2004.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Diminuindo diferenças: a prática das políticas sobre determinantes sociais da saúde: documento de discussão. Rio de Janeiro: OMS; 2016.

PALADI, C. S. et al. In vitro and In vivo activity of a Palladacycle comolex on Leishmania (Leishmania) amazonensis. Neg Trop Dis, v. 6, n. 4, p. 1626-1641, 2012.

QUINTANILHA, J. A. O uso de técnicas de geoprocessamento na saúde pública: a análise espacial aplicada na determinação de áreas de doenças. Arq Cienc Saud, v. 10, p. 32-41, 2015.

RODRÍGUEZ, E. M. et al. Spatio-temporal clustering of American cutaneous leishmaniasis in a rural municipality of Venezuela. Epidemics, v. 5, n. 2, p. 11-19, 2013.

SINAN. Sistema de Informação de Agravos de Notificação. 2021. Doenças e Agravos de Notificação - De 2007 em diante (SINAN). Leishmaniose Tegumentar Americana. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/ltabr.de. Acesso em: 16 mar. 2021.

SILVA, N. S. et al. Epidemiologia da leishmaniose tegumentar americana no estado do Acre, Amazônia brasileira. Cad Saud Publica, v. 25, n. 6, p. 1325-1236, 2009.

SKABA, D. A. et al. Geoprocessamento dos dados da saúde: o tratamento dos endereços. Geoproc health data. v. 20, n. 6, p. 1753–1736, 2004.

WHO. World Health Organization. Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde. Rio de Janeiro: WHO; 2019.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-01-01

Como Citar

Samay Ribeiro Tavares, K., Barreto Neves Oliveira, I., Félix da Silva, C. E., Matias de Moura, A., Vilela Teodoro Silva, M., de Oliveira Mendes, S., & Silveira, M. B. (2022). Análise da distribuição espacial dos casos de leishmaniose tegumentar americana no estado de Goiás. Diversitas Journal, 7(1), 0228–0237. https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.1852

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)