A relação sociedade-natureza nos territórios paleodunares do rio São Francisco/BA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v6i4.1957

Resumo

RESUMO: O rio São Francisco tem delineado em seu curso muitas feições geológicas-geomorfológicas, e dentre elas é possível destacar os campos de paleodunas, construídas em outros períodos da história da Terra. Estas feições arenosas têm, ao longo dos anos, perdido suas características originais atribuídas não apenas aos agentes erosivos naturais, mas também, aos agentes antropogênicos, já que a relação estabelecida entre a sociedade e a natureza não tem sido harmoniosa. Neste sentido, esta pesquisa aborda sobre a relação dos habitantes e ribeirinhos dos territórios paleodunares do entorno do rio São Francisco no município de Casa Nova/BA, com a natureza., e seus respectivos impactos. Trata-se de uma pesquisa com natureza quali-quantitativa, de caráter exploratório, bibliográfico e de campo. Os achados indicam que o paleoambiente se encontra em estágios de degradação bastante consideráveis, sendo necessária a implementação de propostas de conservação que possa mitigar os danos causados ao meio físico-natural e que consequentemente, têm afetado à sociedade local.

PALAVRA-CHAVE: Geossistemas, Paleoambientes, Paleodunas, Impactos, Antropogenia.

 

ABSTRACT: The São Francisco River has outlined in its course many geological-geomorphological features, and among them it is possible to highlight the paleodune fields, built in other periods of the Earth's history. These sandy features have, over the years, lost their original characteristics attributed not only to natural erosive agents, but also to anthropogenic agents, since the relationship established between society and nature has not been harmonious. In this sense, this research deals with the relationship of the inhabitants and riverside dwellers of the paleodunar territories around the São Francisco River in the municipality of Casa Nova/BA, with nature., and their respective impacts. It is a qualitative-quantitative research, exploratory, bibliographical and field. The findings indicate that the paleoenvironment is in very considerable stages of degradation, requiring the implementation of conservation proposals that can mitigate the damage caused to the physical and natural environment and which, consequently, has affected the local society.

KEYWORDS: Geosystems, Paleoenvironments, Paleodunas, Impacts, Anthropogenesis.

Biografia do Autor

Reinaldo Pacheco dos Santos, Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)

Perito Ambiental (InBS); Graduado em Pedagogia pela Universidade Norte do Paraná (2008). Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas de Desenvolvimento do Semiárido (PPGDiDeS) pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF); Especialista em Gestão Escolar pelo Instituto Superior de Teologia Aplicada (2010). Graduando em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE). Membro da la Red Iberoamericana de Medio Ambiente (REIMA); Vice-líder do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Meio Ambiente (GRIMA) do Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Petrolina, atuando nas seguintes Linhas de Pesquisa: 1. Ecopedagogia e Sustentabilidade Socioambiental; 2; Geografia Contextualizada, Educação e Sustentabilidade Semiárida; 3. Ecodinâmica Ambiental e Recuperação de Áreas Degradadas. Vice-líder do Grupo de Núcleo de Pesquisas Geoambientais (NupGeo). Autor de diversos artigos na área de Educação, Educação Ambiental, Ecopedagogia;Territórios Semiáridos; Ecossistemas e Paleoecossistemas

Izabel Pesqueira Ribeiro Araújo, Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Graduada em Licenciatura Plena em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, ex-aluna de iniciação cientifica com linhas de pesquisas em produtos naturais do semiárido, meio Ambiente, desenvolvimento educacional sustentável e praticas educacionais no ensino de química, além de bolsista de iniciação cientifica pela CNPq. Ministrou aulas de Química e Física no Colégio Pimentinha em Casa Nova-BA. Foi monitora de Química e Biologia no projeto de extensão, Universidade Para todos, financiado pela Universidade Estadual da Bahia. Ministrou aulas de química e física, para curso técnico de radiologia no Colégio SE7E. Participou do programa "Novo Mais Educação", onde foi mediadora da disciplina de Matemática, pela SEDUC (Secretaria Municipal de Educação de Casa Nova -BA). Atualmente mestranda em Química pela Universidade Federal de Sergipe, com área de estudo em Química Orgânica.

Márcia Bento Moreira, Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)

Graduada (1995) em Medicina Veterinária pela Universidade de Marília; Mestre (2001) em Técnicas Operatórias e Cirurgia Experimental pela Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina (UNIFESP - EPM); Doutora (2006) em Cirurgia e Experimentação pela UNIFESP - EPM. Em 2011 recebeu o título de médica veterinária hiperbarista pela Sociedade Brasileira de Medicina Hiperbárica. Na Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF - possui as seguintes funções e cargos: Professora Adjunta III, ministra aulas na Graduação (curso de Medicina Veterinária - http://www.veterinaria.univasf.edu.br/?pg=paginasrelacaodosdocentes-html) e na Pós-Graduação [Ciências da Saúde e Biológicas (http://www.ppgcsb.univasf.edu.br/); Extensão Rural (http://www.pgextensaorural.univasf.edu.br/) e no de Agroecologia e Desenvolvimento Territorial (http://ppgadt.univasf.edu.br/)]; foi nomeada em junho de 2019 presidente do Fórum de Coordenadores de Programas de Pós-Graduação Interdisciplinares do Brasil (http://www.inpe.br/datalab/ForumPPGI/gestor.jsp); Coordena a Liga Acadêmica em Anestesiologia Veterinária, Dor e Terapia Intensiva - Mandrágora desde 2018.2; é Membro do Centro de Recondicionamento de Computadores vinculado ao Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (http://crc.univasf.edu.br/; Membro do curso de Especialização em Educação no e do Campo/PRONERA; Coordena o Programa de Pós-Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Territorial - PPGADT da Univasf, Interdisciplinar, nível Doutorado Profissional. Coordenou o Mestrado Profissional em Extensão Rural, interdisciplinar, de 2016 até 2018; Concebeu e criou o Programa de Pós-Graduação Ciências da Saúde e Biológicas - PPGCSB, Interdisciplinar, nível Mestrado Acadêmico durante o interstício de 2010 a 2012; Implantou e Coordenou o PPGCSB durante o período de 2012 a 2015; Foi Presidente Adjunta do Comitê de Ética e Deontologia em Estudos e Pesquisa desde 2011 à 2015; Coordenou a Comissão de Ética no Uso de Animais de 2012 à 2015; Foi membro da equipe de pesquisadores do Centro de Manejo e Conservação da Fauna da Caatinga - CEMAFAUNA durante o período de 2008 a 2013. Sua expertise está vinculada as áreas de Ciências da Saúde e Agrárias com ênfase nos seguintes temas: anestesiologia, dor e terapia intensiva; cirurgia geral e do trauma; medicina da conservação; oxigenoterapia hiperbárica; ética e bioética; educação no e do campo.

Jairton Fraga Araújo, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Graduado em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal da Bahia (1982), mestrado em Agronomia na área de Fruticultura Tropical pela Escola de Agronomia da Universidade Federal da Bahia (1990) e doutorado em Agronomia na área de Horticultura pela UNESP - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2007). Atualmente é professor Pleno da Universidade do Estado da Bahia onde ministra as disciplinas Agroecologia e Manejo e Conservação do Solo e da Água. É professor do quadro permanente em Agroecologia do programa de mestrado/doutorado em Ecologia Humana e Gestão Socioambiental da UNEB em Juazeiro. Exerceu entre dezembro de 2012 a Março de 2014 a Coordenação do Colegiado de Curso de Engenharia Agronômica da UNEB em Euclides da Cunha no Campus XXII. Foi diretor do Departamento de Tecnologia e Ciências Sociais - DTCS/UNEB nos períodos de 2002/2004; 2014/2016 e 2016/2018. Exerceu a função de assessor da Prefeitura de Juazeiro entre 01/2004 a 07/2004 e de de Secretário de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio-Ambiente entre janeiro de 2009 a março de 2010. Atualmente é o Coordenador do CENTRO DE AGROECOLOGIA, ENERGIAS RENOVÁVEIS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CAERDES da UNEB/DTCS-III e pesquisador da área de agricultura orgânica, agroecologia e fitotecnia de cultivos irrigados. É professor e Coordenador do Doutorado Profissional em Agroecologia e Desenvolvimento Territorial - PPGADT no âmbito da UNEB conforme portaria 334/2019.

Referências

BAHIA. DECRETO Nº 9.957 DE 30 DE MARÇO DE 2006. Cria a Área de Proteção Ambiental – APA do Lago de Sobradinho, nos Municípios de Casa Nova, Remanso, Pilão Arcado, Sento Sé e Sobradinho, e dá outras providências. Disponível em: Acesso em: 20 abr. 2020.

BARDIN, L.. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70 Brasil, 2016.

BARRETO, A. M. F. Interpretação paleoambiental do sistema de dunas fixadas do médio Rio São Francisco, Bahia. Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo: Tese de Doutoramento, 1996, 174 p.

BERTRAND, G.; BERTRAND C.. Uma Geografia Transversal e de Travessias: o meio ambiente através dos territórios e das temporalidades. Maringá: Mossoni, 2007.

BRASIL. LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981. Política Nacional de Meio Ambiente. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.html. Acesso em: 22 junho 2019.

BRASIL. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.html. Acesso em: 22 junho, 2019.

BRASIL. LEI Nº 9.985, DE 18 DE JULHO DE 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9985.htm. Acesso em: 09, mar. 2021.

BRASIL. LEI Nº 9.985, DE 18 DE JULHO DE 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9985.htm. Acesso em: 09, mar. 2021.

BRASIL. DECRETO Nº 4.340 DE 22 DE AGOSTO DE 2002. Regulamenta artigos da Lei N° 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC, e dá outras providências. Disponível em: https://ideflorbio.pa.gov.br/wp-content/uploads/2015/08/Decreto_4340.pdf. Acesso em: 10, fev. 2021.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde (CNS). Resolução n. 510 de 07 de abril de 2017. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.

COELHO, L.; BRITO, J. Fotogrametria digital. 2. ed. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2007. 196p.

DE OLIVEIRA, Paulo Eduardo; BEHLING, Hermann; LEDRU, Marie-Pierre; BARBERI, Maira; BUSH, Mark; SALGADO-LABOURIAU, Maria Léa; GARCIA, Maria Judite; MEDEANIC, Svetlana; BARTH, Ortrud Monika; BARROS, Márcia A. de; SCHEEL-YBERT, Rita.. Paelovegetação e Paleoclimas do Quaternário do Brasil. In: SOUZA, C. R. de G.; SUGUIO, K.; OLIVEIRA, A. M. dos S.; DE OLIVEIRA, P. E.. Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto/SP: Holos Editora, 2005.

DIAS, R. Introdução ao turismo. São Paulo: Atlas, 2005.

DUARTE, T. S.. A construção das identidades territoriais na fronteira sul do Brasil. Geographia Meridionalis, v. 02, n. 01 Jan-Jun/2016 p. 04–19. Disponível em:<https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/Geographis/article/view/7775>. Acesso em: 08/06/2020.

FOLADORI, Guillermo. Limites do Desenvolvimento Sustentável. Trad. Marise Manoel. Campinas: São Paulo, Editora da Unicamp, Imprensa Oficial, 2001.

GIANNINI, P.C.E.; ASSINE, M.L.; BARBOSA, L.M.; BARRETO, A.M.F.; CARVALHO, A.M.; SALES, V.C.; MAIA, L.P.; MARTINHO, C.T.; PEULVAST, J.P.; SAWABUCHI, A.Q.; TOMAZELLI, L.J. Dunas e Paleodunas Eólicas. In: Quaternário do Brasil. Cap.11. Associação Brasileira de Estudos do Quaternário. Holos Editora. Ribeirão Preto/SP: 2005.

GIL, A.C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2019. 207 p.

GUERRA, A. J. T. Dicionário Geológico e Geomorfológico. 7 Ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1989.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

LEEF, Enrique. Agroecologia e saber ambiental. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável. Porto Alegre, v.3, n.1, jan./mar.2002. Disponível em: http://www.emater.tche.br/docs/agroeco/revista/ano3_n1/revista_agroecologia_ano3_num1_parte08_artigo.pdf. Acesso em: 22/04/2020.

LOUREIRO, C. F.. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo: Cortez, 2012.

OLIVEIRA, A.R.S.; SILVA, C. H. da.. Território, Territorialidade e Identidade Territorial: categorias para análise da dinâmica territorial quilombola no cenário geográfico. Caderno de Geografia, v.27, n.49, 2017. DOI: 10.5752/p.2318-2962.2017v27n49p411. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/geografia/article/view/p.2318-2962.2017v27n49p411>. Acesso em: 10/06/2020.

PACHECO, C. S.G. R. Paleoecossistemas no curso do rio São Francisco/BA e a ecodinâmica das paisagens. Curitiba/PR: Editora CRV, 2020.

ROSS, Jurandyr Sanches. Ecogeografia do Brasil: subsídios para o planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2009, 208p.

_______. Geomorfologia: ambiente e planejamento. 9 Ed. São Paulo: Contexto, 2012, 89p.

SUGUIO, Kenitiro. Geologia do Quaternário e mudanças ambientais. São Paulo/SP: Oficina de Textos, 2010, 408p.

TRICART, Jean. Ecodinâmica. Rio de Janeiro, IBGE-SUPREN, 1977.

VELLOSO, A.; SAMPAIO, E. V. S. B.; PAREYN, F. G. C.. Ecorregiões Propostas para o Bioma Caatinga. Recife: Associação Plantas do Nordeste/Instituto de Conservação Ambiental The Nature Conservancy do Brasil, 2002, 76p. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Antonio_Farias_Castro/publication/303899337_Ecorregioes_da_Caatinga/links/575bfc0008ae9a9c9556fb28/Ecorregioes-da-Caatinga.pdf. Acesso em: 20 jan. 2021.

XAVIER, H. A. Percepção Geográfica do Turismo. São Paulo: Aleph, 2007.

Downloads

Publicado

2021-10-19

Como Citar

Pacheco, C. S. G. R., Santos, R. P. dos ., Araújo, I. P. R., Moreira, M. B., & Araújo, J. F. . (2021). A relação sociedade-natureza nos territórios paleodunares do rio São Francisco/BA. Diversitas Journal, 6(4), 3825–3847. https://doi.org/10.48017/dj.v6i4.1957