Entraves logísticos ao desenvolvimento agrícola brasileiro à luz da Nova Economia Institucional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v6i4.1992

Resumo

RESUMO: Objetivou-se estudar os entraves logísticos para o escoamento da produção agropecuária brasileira e, como estes restringem às potencialidades naturais e tecnológicas do segmento no país. A análise destas fragilidades se deu por intermédio da estrutura da governança e da influência das instituições, com base na Nova Economia Institucional (NEI) a partir de uma abordagem metodológica qualitativa de argumento dedutivo-indutivo. Como resultado, destaca-se a existência de custos de transação, nas dimensões de Williamson (1985) em decorrência das fragilidades institucionais levantadas, tais como uma rede de transportes sucateada e desarticulada entre seus modais; uso demasiado do modal rodoviário; burocratização do setor e ausência de ordenamento técnico, legal e organizacional no segmento que torna a logística de escoamento da produção como um gargalo à competitividade nacional no setor agropecuário.

PALAVRAS-CHAVE: agronegócio; infraestrutura de transporte; governança

 

ABSTRACT: This article aims to study the logistical barriers to the flow of Brazilian agricultural production and how they restrict the natural and technological potential of the segment in the country. The analysis of these weaknesses took place through the structure of governance and the influence of institutions, based on the New Institutional Economy (NEI) based on a qualitative methodological approach of deductive-inductive argument. As a result, the existence of transaction costs, in the dimensions of Williamson (1985), stands out due to the institutional weaknesses raised, such as a scrapped and disjointed transport network between its modes; overuse of the road modal; bureaucratization of the sector and lack of technical, legal and organizational order in the segment that makes production flow logistics a bottleneck to national competitiveness in the agricultural sector.

KEYWORDS: Agribusiness; transport infrastructure; governance.

Referências

BORGES, A. O grande desafio do agronegócio no Brasil. Disponível em: < http://www.empreendedorrural.com.br>. Acesso em 27 agosto 2019.

CASTRO, C. N. de. O agronegócio e os desafios da infraestrutura de transporte na região centro-oeste. Desenvolvimento Regional no Brasil: políticas, estratégias e perspectivas. p. 247 – 274, 2017.

CAVALCANTE, C. M. A economia institucional e as três dimensões das instituições. Revista de Economia Contemporânea, 2015.

CEPEA. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada. PIB do Agronegócio Brasileiro, 2008 a 2018, em R$ Milhões correntes. Disponível em:<https://www.cepea.esalq.usp.br/br/pib-do-agronegocio-brasileiro.aspx>. Acesso em 17 dez. 2019.

CNT /COPPEAD. Transporte de cargas no brasil: ameaças e oportunidades para o desenvolvimento do país. Diagnóstico e plano de ação. Centro de Estudos em Logísticas, 2008.

COASE, R. The Nature of Firm. 1937.

COUTINHO LOPES, Y. Transporte de produtos agrícolas e a otimização de seus resultados. 2015.

FIANI, R. Estado e Economia no Institucionalismo de Douglass North. Revista de Economia Política, v. 23, n. 2 (90), p. 135 – 149, 2003.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

FRANZONI, A. M. B.; FREITAS, S. M. M de. Logística de transporte internacional. XI SIMPEP, Bauru, 2005.

FRISCHTAK, C. O investimento em infraestrutura no Brasil: histórico recente e perspectivas. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 38, n. 2, p. 307 – 342, 2008.

G1. Acesso a terminais é maior problema nos 10 principais portos brasileiros. Disponível em: <http://g1.globo.com/economia/noticia/2013/06/acesso-terminais-e-maior-problema-nos-10-principais-portos-brasileiros.html>. Acesso em 27 agosto 2019.

GALA, P. A Teoria Institucional de Douglass North. Revista de Economia Política, v. 23, n. 2, p. 89 – 105, 2003.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores Agropecuários. Disponível em < https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/agricultura-e-pecuaria/9072-indicadores-agropecuarios.html?=>. Acesso em 25 de maio de 2020.

LOPES, M. A.; CONTINI, E. Agricultura, Sustentabilidade e Tecnologia. Agroanalysis, 2012.

LOURENÇO, J.; LIMA, C. Evolução do Agronegócio Brasileiro, Desafios e Perspectivas. Disponível em: < http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/09/clbl.htm>. Acesso em 17 dez. 2019.

LUZ, M. R. S. Porque a Economia não é uma Ciência Evolucionária: Uma hipótese antropológica a respeito das origens cristãs do Homo Economicus. 2013.

MANN, S.; DICKINSON, J. Obstáculos ao desenvolvimento da agricultura capitalista. In: Literatura Econômica, v.9, 1997.

MAPA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br>. Acesso em 03 de abril. 2019.

MARTINS, R. et al. Impactos da Carência de Investimentos na Logística Pública de Transportes para o Agronegócio: discussão teórica e evidências para o caso brasileiro. Texto Para Discussão n° 262. 2005.

NAVES, I. A remoção dos estoques públicos através do CN: uma análise sob a ótica da logística do agronegócio. Dissertação de Mestrado em agronegócios. Universidade de Brasília. Brasília/DF, 2007.

NEVES, C.et. al. Logística do escoamento da safra agrícola no Corredor Noroeste. Boletim do Núcleo de estudos em tecnologia, gestão e logística. UFRJ. 2008.

NORTH, D. C. Institutions, institutional change and economic performace. 1992.

NORTH, D. C. Institutions. Journal of Economic Perspectives, v 5, n. 1, p. 97 – 112, 1991.

NORTH, D. C. Structure and change in economic history. New York: Norton, 1981.

OLIVEIRA, A.; TUROLLA, F. Financiamento da infraestrutura de transportes. Journal of Transport Literature, v. 7, n. 1, p. 103-126, 2013.

OLIVEIRA, T. O. Instituições, Desenvolvimento e Sustentabilidade: sob a perspectiva da Economia Institucionais original. 2013.

PÉRA, T. G. Modelagem das perdas na agrologistica de grãos no Brasil: uma aplicação de programação matemática. 2017.

PIZZOLATTI, I. J. Visão e conceito de agribusiness. Disponível em: <https://bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/C84FADCED2D0109E03256F0E00788FA6/$File/NT00030012.pdf>. Acesso em 21 de abril. 2019

PONDÉ, J. L. Coordenação e aprendizado: elementos para uma teoria das inovações institucionais nas firmas e nos mercados. 1993.

PONDÉ, J. L. Nova Economia Institucional. v. 1, roteiro de curso, 2007.

RAZZOLINI FILHO, E. Transporte e modais com suporte de TI E SI. 2013.

RUTHERFORD, M. Institutions in Economics: The Old and the New Institutionalism. 1994.

SIMONSEN M. H.; CYSNE R. P. Macroeconomia. 2009.

SOUZA, F. L. U.; LEAL, J. E. Panorama do transporte de carga no Brasil: Uma visão do ponto de vista dos operadores. Aspectos Econ. Soc. Políticos e Ambientais do Transp.: Regulação e Contratos, 2015.

VASCONCELLOS, M. A. S. de; GREMAUD, A. P.; TONETO JUNIOR, R. Economia Brasileira Contemporânea, 2007.

WILLIAMSON, O. E. Comparative Economic Organization: The Analysis of Discrete Structural Alternatives. Administrative Science Quartely, 1991.

WILLIAMSON, O. E. The economic institutions of capitalism: firms,markets, and relational contracting. 1985.

ZYLBERSZTAJN, D. Papel dos Contratos na Coordenação Agro-Industrial: um olhar além dos mercados. Revista Estudos Regionais, v. 43, n 3, p. 385-420, 2005.

ZYLBERSZTAJN, D. Estruturas de governança e coordenação do agribusiness: uma aplicação da nova economia das instituições. 1995.

Downloads

Publicado

2021-10-19

Como Citar

Faro, K. C. (2021). Entraves logísticos ao desenvolvimento agrícola brasileiro à luz da Nova Economia Institucional. Diversitas Journal, 6(4), 4043–4066. https://doi.org/10.48017/dj.v6i4.1992

Edição

Seção

Economia, Administração e Desenvolvimento Rural