O Programa Centelha AL como fonte de inovação frugal

Autores

  • Gilson Francisco de Oliveira Castro Universidade Federal De Alagoas
  • Francisco José Peixoto Rosário Universidade Federal De Alagoas https://orcid.org/0000-0001-6119-6674
  • Araken Alves de Lima Instituto Nacional da Propriedade Industrial | INPI - Coordenação-Geral de Disseminação para Inovação https://orcid.org/0000-0002-2196-1156

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.2066

Palavras-chave:

Inovação Frugal, Empreendedorismo, Programa CENTELHA AL

Resumo

as mais bem-sucedidas formas de inovação são desenvolvidas em países do centro do sistema capitalista. Contudo, uma nova abordagem para a análise dos processos de inovação está emergindo e particularmente adequada para mercados emergentes e regiões periféricas: a inovação frugal. Este artigo tem como objetivo analisar os projetos aprovados no Programa Centelha AL para identificar neles características relacionadas com o conceito de inovação frugal. A metodologia utilizada baseou-se numa análise de conteúdo, realizando inferências replicáveis e válidas com a interpretação e codificação do material textual que é convertido em dados quantitativos, utilizando o software IRAMUTEQ. Os resultados apresentados são preliminares e estão no âmbito de uma pesquisa maior com outros desdobramentos esperados na produção científica qualificada. Nos achados deste artigo verificou-se que, dos 28 projetos aprovados, cerca de 25% apresentaram temática de tecnologia social, sinalizando uma possível  preocupação de muitos dos prováveis empreendedores com o impacto social das soluções projetadas,  mesmo com a possibilidade de que os pretensos empreendedores com projetos aprovados desconheçam o conceito da inovação frugal, identificam-se algumas evidências iniciais na existência de preocupação a respeito de adequação de custos e do impacto social de seus projetos, sendo estes últimos duas características da inovação frugal.

Biografia do Autor

Francisco José Peixoto Rosário, Universidade Federal De Alagoas

Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Alagoas (1994), mestrado em Administração pela Universidade Federal de Alagoas (1999) e doutorado em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2008). Professor do Mestrado em Economia Aplicada da UFAL e do Mestrado de Transferência de Tecnologia e Propriedade Intelectual para a Inovação (PROFNIT). Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Organização Industrial e Estudos Industriais, atuando com análise de mercados e gestão da inovação.

Araken Alves de Lima, Instituto Nacional da Propriedade Industrial | INPI - Coordenação-Geral de Disseminação para Inovação

Possui graduação em Ciências Econômicas (1997) e especialização em Economia Agroindustrial (1998), ambos pela Universidade Federal de Alagoas. Na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) obteve os títulos de mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente (2001) e de doutor em Economia Aplicada (2006). Trabalha no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) desde 2006 como Tecnologista em Propriedade Industrial. Desempenhou as funções de Coordenador Acadêmico do Programa de Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Inovação (nov/2007-out/2008), Coordenador de Pesquisa e Educação em Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento (out/2008-dez/2010) e Coordenador-Geral da Academia da Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento (jan/2011-jul/2013). Desde 2007, atua como docente e pesquisador dos programas de Mestrado Profissional e Doutorado Profissional em Propriedade Intelectual e Inovação do INPI, desenvolvendo trabalhos com ênfase em Economia da Propriedade Intelectual e Inovação, atuando principalmente em temáticas sobre propriedade intelectual, inovação, sistemas de inovação e agronegócio. A partir de 2015, passou a desempenhar a função de chefe da Seção de Difusão Regional do INPI no estado de Santa Catarina, onde também é docente permanente voluntário do Programa de Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação (PROFNIT/Ponto focal de Florianópolis/UFSC).

Referências

BREM, A; WOLFRAM, P. Research and development from the bottom up-introduction of terminologies for new product development in emerging markets. Journal of Innovation and Entrepreneurship, 2014.

BHATTI, Yasser et al. Frugal innovation: models, means, methods. Cambridge University Press, 2018.

DURIAU, V. J.; REGER, R. K.; PFARRER, M. D. A content analysis of the content analysis literature in organization studies: Research Themes, Data Sources, and Methodological Refinements. Organizational Research Methods, 2007.

HAASE, H.; ARAÚJO, E. C. de; DIAS, J. Inovações vistas pelas patentes: exigências frente às novas funções das universidades. Revista Brasileira de Inovação, 2009.

HOSSAIN, M. Frugal innovation: a review and research agenda. Journal of Cleaner Production, 2018.

LACERDA, K. C. Inovação em produtos para a base da pirâmide: evidências em empresas brasileiras. Disponível em https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/8275. Acesso em: 05 set. 2018.

NERI, M. ‘Brazil’s new middle classes. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/140319_neri_ncm_brics.pdf. Acesso em: 02 set. 2018.

PRABHU, J. C; JAIN, S. Innovation and entrepreneurship in India: understanding jugaad. Asia Pacific Journal of Management, 2015.

PRAHALAD, C. K. Bottom of the pyramid as a source of breakthrough innovations. Journal of Product Innovation Management, 2012.

PRAHALAD, C. K; HART, S. L. Strategies for the bottom of the pyramid: creating sustainable development. Ann Arbor, 1999.

RADJOU, N.; PRABHU, J.; AHUJA, S. A inovação do improviso: por que menos é mais na construção de riquezas e resultados. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

ROSÁRIO, Francisco José Peixoto; LIMA, Araken Alves de. Small industrial companies and frugal innovation: a case study in the state of Alagoas/Brazil. Frugal innovation and its implementation: leveraging constraints to drive innovations on a global scale, 2021, p. 191.

ROSSETTO, D. E et al. A new scale for measuring frugal innovation: the first stage of development of a measurement tool. VI SIMGEP, 2017.

SALVIATI, M.E. Manual do aplicativo Iramuteq , 2017. Disponível em http://iramuteq.org/documentation/fichiers/manual-do-aplicativo-iramuteq-par-maria-elisabeth-salviati. Acessado em 06/06/2021.

SILVA, S.B.S. Inovação frugal à luz dos princípios da Jugaad: estudo de múltiplos casos em MPEs. Dissertaçao de Mestrado. Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, 2018.

SIMULA, H; HOSSAIN, M; HALME, M. "Frugal and reverse innovations – quo vadis?". Current Science, 2015.

SOUSA, Yuri Sá Oliveira et al. O uso do software Iramuteq na análise de dados de entrevistas. Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais, 2020, v. 15, n. 2, p. 1-19.

WEYRAUCH, T; HERSTATT, C. What is frugal innovation? Three defining criteria. J Frugal Innov , 2017.

WINSCHNEIDER, C; BREM, A; AGARWAL, N. Gambiarra – the Brazilian Jugaad Innovation? An empirical examination of the antecedents of constraint-based innovations in two cultures. IEEE International Symposium on Innovation and Entrepreneurship (TEMS-ISIE). Beijing, 2018.

ZESCHKY, M. B; WINTERHALTER, S; GASSMANN, O. From cost to frugal and reverse innovation: mapping the field and implications for global competitiveness. Research-Technology Management, 2014.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-01-01

Como Citar

Castro, G. F. de O., Rosário, F. J. P., & Lima, A. A. de. (2022). O Programa Centelha AL como fonte de inovação frugal . Diversitas Journal, 7(1), 0376–0389. https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.2066