Potencial germinativo de sementes de feijão caupi, cv. BRS Potengi, após condicionamento fisiológico

Autores

  • Bruna Tuane de Souza Caçula Universidade Federal Rural de Pernambuco, Unidade Acadêmica de Serra Talhada, UFRPE- UAST, Pernambuco – Brasil
  • Monalisa Alves Diniz da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Joyce Naiara da Silva Universidade Federal da Paraíba
  • Lauizy de Andrade Bezerra Universidade Federal Rural de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.2109

Palavras-chave:

Potencial Fisiologico, Vigna unguiculata (L.) Walp., hidrocondicionamento

Resumo

O condicionamento fisiológico consiste de uma técnica que visa estimular o metabolismo das sementes frente às situações adversas, sendo aplicada para diversas culturas de expressão econômica, destacando-se o feijão caupi pela sua relevância, principalmente nas regiões Norte e Nordeste do Brasil.  Dessa forma, o presente trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do condicionamento fisiológico e posterior secagem sobre o potencial germinativo das sementes de feijão caupi, cv. BRS Potengi. O primeiro experimento consistiu em comparar se o uso das mesmas sementes para todos os períodos de embebição (experimento I) ou a utilização de novas sementes a cada período poderiam interferir na construção da curva de embebição (30’; 1; 3; 6; 9; 12; 18 e 24 horas). Previamente foi avaliado o período de embebição necessário para que as sementes atingissem a fase II do processo trifásico de embebição, sem iniciar a fase III. No segundo experimento, utilizando a metodologia II de embebição, as sementes após cada período de embebição foram divididas em duas frações, sendo uma delas mantida úmida (fração úmida) até a semeadura e a outra submetida ao processo de secagem (fração seca). Foi utilizado o delineamento inteiramente casualizado, adotando-se para o segundo experimento um esquema fatorial 2×7 + testemunha (sementes sem embebição), ou seja, presença e ausência de secagem após o condicionamento fisiológico × períodos de embebição. Avaliou-se: teor de água; germinação (protrusão da raiz primária); índice de velocidade, coeficiente de velocidade e tempo médio de protrusão da raiz primária e condutividade elétrica. A curva de embebição pode ser conduzida  de forma eficiente utilizando as mesmas sementes durante todos os períodos de avaliação ou fazendo uso de novas sementes a cada período.   Visando-se o uso de menos sementes e uma melhor otimização do tempo para a preparação e a condução do experimento de embebição, indica-se a metodologia que utiliza as mesmas sementes para todos os períodos de embebição. O condicionamento fisiológico das sementes por 18 e 24 horas, sem posterior secagem, proporciona uma emissão mais rápida da raiz primária das sementes de feijão caupi, cv. BRS Potengi. O processo de secagem das sementes não interfere no efeito benéfico do condicionamento fisiológico.

Referências

ALBUQUERQUE, K. S.; GUIMARÃES, R. M.; ALMEIDA, I. F.; CLEMENTE, A. C. S. Alterações fisiológicas e bioquímicas durante a embebição de sementes de sucupira-preta (Bowdichia virgilioides Kunth.). Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n.1, p.012-019, 2009;

ALMEIDA, D. P.; RESENDE, O.; MENDES, U. C.; COSTA, L. M.; CORRÊA, P. C.; ROCHA, A. C. Influência da secagem na qualidade fisiológica do feijão adzuki. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 8, n. 2, p. 311-315, 2013;

ARAÚJO, P.C.; TORRES, S.B.; BENEDITO, C.P.; PAIVA, E.P. Condicionamento fisiológico e vigor de sementes de maxixe. Revista Brasileira de Sementes, v.33, n.3, p.482-489. 2011;

ARAUJO, R. F.; ABUD, H. F.; PINTO, M. F.; ARAUJO, E. F.; LEAL, C. A. M. Curva de embebição de sementes de pimentas biquinho e malagueta sob diferentes temperaturas. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável, v.8, n.3, p.51-56, 2018;

AYRES, R. S.; WESTCOT, D. W. A qualidade da água na agricultura. Campina Grande: UFPB, 1999;

BECHERT, O. P.; MIGUEL, M. H.; MARCOS-FILHOS, J. Absorção de água e potencial fisiológico em sementes de soja de diferentes tamanhos. Scientia Agricola, v. 57, n. 4, p. 671-675, 2000;

BEWLEY, J. D.; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. New York: Plenum, 1994;

BEWLEY, J. D.; BRADFORD, K. J.; HILHORST, H. W. M.; NONOGAKI, H. Seeds: physiology of development, germination and dormancy. Springer, p. 392, 2013;

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4.ed. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588p;

BORGHETTI, F.; FERREIRA, A.G. Interpretação de resultados de germinação. In: FERREIRA, A.G.; BORGHETTI, F. (Eds.). Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, p. 209-222, 2004;

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para Análise de Sementes/Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 399p, 2009;

CASEIRO, R. F.; BENNETT, M. A.; MARCOS FILHO, J. Comparison of three priming techniques for onion seed lots differing in initial seed quality. Seed Science and Technology, v. 32, n. 2, p. 365-375, 2004;

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB. Acompanhamento da safra brasileira de grãos: safra 2016/2017, décimo levantamento, v.4, n.10, p.170, 2017;

COSTA, D. S.; ROCHA, C. R M.; YAGUSHI, J. T.; MENTEM, J. O. M.; CRUZ, A. A. Hidratação controlada de sementes de soja: potencial fisiológico e emergência em solo com Rhizoctonia solani. Revista de Agricultura Neotropical, v. 4, n. 2, p. 27-34, 2017;

COSTA, R. R. Atenuação de estresse hídrico em plantas de feijão-caupi tratadas com ácido salicílico. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias da Universidade Estadual da Paraíba/Embrapa Algodão, p. 90, 2016;

FREIRE-FILHO, F. R.; RIBEIRO V. Q.; ROCHA, M. M.; SILVA, K. J. D.; NOGUEIRA, M. S.; RODRIGUES, E. V. Produção, melhoramento genético e potencialidades do feijão-caupi no Brasil. Teresina: Embrapa Meio-Norte, p. 84, 2011;

GUIMARÃES, M. A.; DIAS, D.C.F. S.; LOUREIRO, M.E. Hidratação de sementes. Revista Trópica – Ciências Agrárias e Biológicas, v.2, n.1, p.31-39, 2008;

GURGEL JÚNIOR, F.E.; TORRES, S.B.; OLIVEIRA, F.N.; NUNES, T. A. Condicionamento fisiológico de sementes de pepino. Revista Caatinga, v.22, n.4, p. 163-168, 2009;

IBRAHIM, N. D.; BHADMUS, Z.; SINGH, A. Hydro-priming and re-drying effects on germination, emergence and growth of upland rice (Oryza sativa L.). Nigerian Journal of Basic and Applied Science, v. 21, n. 2, p. 157-164, 2013;

LABOURIAU, L.G. A germinação de sementes. Washington: Secretaria Geral da Organização dos Estados Americanos, 173 p. 1983;

LEÃO-ARAÚJO, E. F.; SANTOS, W. V.; FERREIRA, L. B. S.; FERREIRA, E. A. S.; GOMES-JÚNIOR, F. G.; PEIXOTO, N.; SOUZA, E.R.B. Embebição e emissão da raiz primária de sementes de Campomanesia adamantium em função da temperature. Revista de Ciências Agrárias, v. 42, n.2, p. 402-409, 2019;

LOEFFLER, T.M.; TEKRONY, D.M.; EGLI, D.B. The bulk conductivity test as an indicator of soybean seed quality. Journal of Seed Technology, v.12, n. 1, p.37-53, 1988;

LOPES, J. C.; FREITAS, A. R.; BELTRAME, R. A.; VENANCIO, L. P.; MANHONE, P. R.; SILVA, F. R. N. Germinação e vigor de sementes de pau d’alho sob estresse salino. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 35, n. 82, p. 169-177, 2015;

LOPES, K.P.; NASCIMENTO, M.G.R.; BARBOSA, R.C.A; COSTA, C.C. Salinidade na qualidade fisiológica em sementes de Brassicas oleracea L. var. itálica. Semina: Ciências Agrárias, v.35, n.5, p.2251-2260, 2014;

KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. (Eds.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: Abrates, 1999;

MAGUIRE, J. D. Speed of germination: aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v. 1, p. 176-177, 1962;

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: Fealq, 2015;

MARCOS FILHO J; KIKUTI ALP. Condicionamento fisiológico de sementes de couve-flor e desempenho das plantas em campo. Horticultura Brasileira, v. 26, p. 165-169, 2008;

MEDEIROS, M. A.; TORRES, S. B.; NEGREIROS, M. Z.; MADALENA, J. A. S. Hidrocondicionamento e armazenamento de sementes de melão. Semina: Ciências Agrárias, v. 36, n. 1, p. 57-65, 2015;

MIRANDA, P.; TAVARES, J. A.; RAPOSO, J. A. A.; CARVALHO, E. O.; PIMENTEL, M. L.; SANTOS, V. F.; Avaliação de cultivares de Vigna unguiculata (L.) Walp., tipos ereto e semi ereto em diferentes ambientes agroecológicos de Pernambuco. Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, v.1, n.1, p.127-132, 2004;

NASCIMENTO, W. M. Tecnologia de sementes de hortaliças. EMBRAPA, p. 432, 2009;

OGAWA, N. S.; SENEME, A. M.; MENDONÇA, C. G.; FERRIANI, A. P. Submersão de sementes de feijão do grupo preto e desenvolvimento inicial de plântulas. Nucleus, v.13, n.2, 2016;

PORTES, R. G. R.; SILVA, F. D.; SILVA, U. E. S.; SALVI, J. S. Curva de embebição e interferência da luz na germinação de sementes de Rosa-do-deserto (Adenium obesum Forssk.), Roem. & Schult). Journal of basic Education, Technical and Technological, v. 5, n. 1, p. 9-19, 2018;

RAMOS, A. R.; BINOTTI, F. F. S.; SILVA, T. R.; SILVA, T. R. Bioestimulante no condicionamento fisiológico e tratamento de sementes de feijão. Revista Biociências, v. 21, n. 1, p. 76-88, 2015;

RODRIGUES, D. L.; LOPES, H. M.; SILVA, E. R.; MENEZES, B. R. S. Embebição, condicionamento fisiológico e efeito do hipoclorito de sódio na germinação de sementes de alface. Revista Trópica-Ciências Agrárias e Biológicas, v. 6, n.1, p. 52-61, 2012;

ROOS, E. E.; MOORE III, F. D.; Effect of sed coating on performance of lettuce seeds in greenhouse soil tests. Journal Of the American Society for Horticultural Science, v. 98, n3, p. 782-786. 1989;

TAO, J.K. The 1980 referee test for soybean and corn. AOSA Newsletter. v.34, n. 3, p.53-68. 1980;

VIEIRA, R. D.; PENARIOL, A. L.; PERECIN, D.; PANOBIANCO, M. Condutividade elétrica e teor de água inicial das sementes de soja. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 37, n. 9, p. 1333-1338, 2002;

XAVIER, F. M.; BRUNES, A. P.; CAVALCANTE, J. A.; MENEGHELLO, G. E.; RADKE, A. K.; MARTINS, A. B. N.; DIAS, L. W.; MENEGUZZO, M. R. R.; Germinação de sementes de Allium cepa L. submetidas a condicionamento fisiológico e secagem. Revista de Ciências Agrárias, v. 40, n. 4, p. 693-702, 2017.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-01-01

Como Citar

Caçula, B. T. de S. ., Diniz da Silva, M. A. ., da Silva, J. N. ., & Bezerra, L. de A. . (2022). Potencial germinativo de sementes de feijão caupi, cv. BRS Potengi, após condicionamento fisiológico. Diversitas Journal, 7(1), 0090–0105. https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.2109