Pibid/Espanhol, diversidade cultural e experiências decoloniais de ensino

um novo olhar sobre o “outro”

Autores

  • Flávia Colen Meniconi UFAL
  • Danillo da Silva Feitosa UFAL
  • Andrey Ronald Monteiro da Silva UFAL
  • Lara Beatriz Marques Batista dos Santos UFAL
  • Taynara Grêsse Barbosa da Cunha UFAL
  • Aline Cristina Nascimento de Melo UFAL

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v7i3.2215

Palavras-chave:

Criticidade, Interação, Formação decolonial

Resumo

O PIBID é um programa de grande relevância para a formação inicial dos licenciandos e para a formação continuada de professores supervisores e coordenadores, visto que as práticas educacionais desenvolvidas nas escolas-campo se convertem em um importante incentivo à pesquisa e à transformação do fazer docente. Desse modo, este estudo objetiva apresentar experiências em torno do ensino do idioma espanhol, dentro de uma abordagem mais crítica, reflexiva, discursiva e decolonial. Para tanto, foram elaboradas e desenvolvidas ações pedagógicas para as escolas-campo participantes do programa, com base nas teorias do Letramento Crítico e decolonialidade. Outrossim, pensando o percurso metodológico investigativo, adotou-se o tipo de pesquisa qualitativa, a qual se debruçou na análise de dados obtidos ao longo das atividades desenvolvidas em uma aula de língua espanhola, a saber: plano de aula, gravações de diálogos e diários reflexivos. A partir da análise e discussão dos dados, foi possível refletir acerca da necessidade de uma pedagogia decolonial nas aulas de línguas, a qual possibilitaria uma reconfiguração da ação docente, contribuindo para a reflexão crítica acerca das múltiplas realidades e, ao mesmo tempo, para o combate aos padrões eurocêntricos do ser e do saber, desconstruindo preconceitos e estereótipos culturais.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Flávia Colen Meniconi, UFAL

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Alagoas. Professora adjunta do curso de Letras Espanhol da Universidade Federal de Alagoas.

Andrey Ronald Monteiro da Silva, UFAL

Mestrando em Letras pelo Programa de Pós-graduação em Letras e Literatura da Universidade Federal de Alagoas (PPGLL/UFAL)

Lara Beatriz Marques Batista dos Santos, UFAL

Graduanda em Letras pela Universidade Federal de Alagoas

Taynara Grêsse Barbosa da Cunha, UFAL

Graduanda em Letras Espanhol pela Universidade Federal de Alagoas

Aline Cristina Nascimento de Melo, UFAL

Graduanda em Letras pela Universidade Federal de Alagoas

Referências

Bakhtin, M. (Volochínov). (2012). Marxismo e filosofia da linguagem. (13ª ed.). Trad. M. Lahud; Y. F. Vieira. São Paulo: hucitec.

Bezerra, S. S., Agra, C. B. & Araujo, J. N. M. (2020). Pedagogia decolonial e ensino/aprendizagem de línguas adicionais: reflexões sobre narrativas autoetnográficas. Revista Digital do Instituto Latino-Americano de Arte, Cultura e História – UNILA, v. 1, pp. 95-106.

Da Silva, E. L. & Menezes, E. M. (2005). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. UFSC, Florianópolis, (4ª ed.). v. 123.

Domingos, C. & Godoy, E. (2021). O Desenvolvimento da Competência Intercultural Pragmática e os Estereótipos no Ensino de ELE. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 67, pp. 82–104. DOI: 10.9771/ell.v0i67.41917.

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (1987). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Janks, H. (2013). Critical literacy in teaching and research. Education Inquiry, Taylor & Francis Online, v. 4, n. 2, pp. 225-243.

Maldonado-Torres, N. (2018). Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNADINO-COSTA, J.; MALDONADO-TORRES, N.; GROSFOGUEL, R. (Org.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, pp. 27-54.

Marques, S. S. (2020). Letramento crítico e decolonialidade no ensino de língua inglesa na Educação de Jovens e Adultos (EJA). Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Alagoas. Alagoas.

Mello, E. F. F. & Teixeira, A. C. (2012). A interação social descrita por Vigotsky e sua possível ligação com a aprendizagem colaborativa através das tecnologias de rede. In: IX SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, 2012, Caxias do Sul. Anais. Caxias do Sul: UCS. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/6/871. Acesso em: 22 fev. 2022.

Mescla. (2021). Gringos contam quais são as ideias mais erradas sobre as pessoas de seu país. [Vídeo]. YouTube. Disponível em: https://youtu.be/UIIKWqy0vl4. Acesso em: 4 jun. 2021.

Mignolo, W. (2008). Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF, Dossiê: Literatura, língua e identidade, Niterói, n. 34, pp. 287-324.

Minayo, M. C. S. (2002). Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. S. (org). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. (pp. 9-27) Petrópolis: Vozes.

Moreira Junior, R. S. (2021). Por uma pedagogia decolonial no ensino de língua espanhola: uma experiência remota durante a pandemia da Covid-19. Revista Humanidades e Inovação, v. 8, n. 30, pp. 63-81.

Ocana, O. A., Lopez, M. I. A., Conedo, Z. E. P. & Fiori, C. (2021). Rumo a uma pedagogia colonial no/do Sul global. Revista X, [S.l.], v. 16, n. 1, pp. 118-147. ISSN 1980-0614. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/78826>. Acesso em: 16 fev. 2022. doi:http://dx.doi.org/10.5380/rvx.v16i1.78826.

Oliveira, L. F. (2016). O que é uma educação decolonial. Revista Nuevamerica. n. 148, pp. 35-39.

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino americanas. Colección Sur Sur, CLACSO. (pp. 107-130). Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina.

Sardinha, P. M. M. (2019). Atividades de Letramento Crítico em Inglês para a Educação de Jovens e Adultos. Revista Polyphonía, [S. l.], v. 30, n. 1, pp. 85–101. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/sv/article/view/60193. Acesso em: 21 fev. 2022.

Silva, A. R. M., Meniconi, F. C. & Ifa, S. (2021). Produção escrita em língua espanhola e práticas de letramento crítico no Projeto Casas de Cultura no Campus. UNILETRAS, Ponta Grossa, v. 43, pp. 1-18.

Sousa Santos, B. (2018). Na oficina do sociólogo artesão: aulas 2011-2016. São Paulo: Cortez Editora.

Thewes, J. D. L., Steyer, D. & Fronza, C. A. (2020). Reflexões sobre letramento crítico nas aulas de língua estrangeira a partir de perspectiva trazida pela base nacional comum curricular. Revista do GELNE, Natal/RN, v. 22, n. 1, pp. 188-202.

Vygotsky, L. S. (1988). Pensamento e linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas.

Walsh, C. (2013). Lo pedagógico y lo decolonial: entrejiendo caminos, In: WALSH, C (Ed). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, repensar, (re)existir y (re)vivir. Quito: Abya-Yala, pp, 23-68.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-07-02

Como Citar

Colen Meniconi, F., da Silva Feitosa, D., Ronald Monteiro da Silva, A., Marques Batista dos Santos, L. B., Grêsse Barbosa da Cunha, T., & Nascimento de Melo, A. C. (2022). Pibid/Espanhol, diversidade cultural e experiências decoloniais de ensino: um novo olhar sobre o “outro”. Diversitas Journal, 7(3). https://doi.org/10.48017/dj.v7i3.2215

Edição

Seção

Dossiê Temático- Relatos de experiências no âmbito do PIBID e PRP

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.