Perspectivas de Desenvolvimento a partir do Empreendedorismo Criativo em Alagoas

Autores

  • Orlando Ramos do Nascimento Júnior Universidade Estadual de Alagoas
  • Katia Jeane Alves Mota Universidade Estadual de Alagoas
  • Luiz Geraldo Rodrigues de Gusmão Universidade Estadual de Alagoas
  • Erich Gustavo Santos Ramos UNOPAR

DOI:

https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v3i1.562

Resumo

RESUMO: Objetivou-se com esse estudo apresentar algumas considerações sobre a chamada economia criativa e sua evolução no estado de Alagoas, frente às perspectivas de desenvolvimento econômico do estado. Através de uma abordagem breve sobre origem e concepção de economia criativa e da herança socioeconômica do estado, foi possível traçar um paralelo entre evolução da concepção de cultura e criatividade para a promoção do desenvolvimento, desde o conceito de Indústria cultural a sua aplicação no cenário socioeconômico alagoano. Por meio de pesquisa bibliográfica e exploratória, na qual foram utilizados autores como Adorno e Horkheimer, com a Teoria Crítica sobre “cultura de massa” e economia e Howkins e Florida, sobre a concepção atual da relação entre criatividade, cultura e economia, Carvalho, sobre a economia alagoana e Verdi e Pires, sobre as micro e pequenas empresas; mapeamentos nacionais, que possibilitaram a compreensão da realidade socioeconômica do estado.

 

Palavras-chave: Indústria cultural, Economia criativa, Empreendedorismo.

 

 

ABSTRACT: The objective of this study is to  present some considerations on the so-called creative economy and it’s development in the State of Alagoas, in the face of the State's economic development prospects. Through a brief approach on the origin and design of creative economy and economic heritage of the State, it was possible to draw a parallel between the evolution of the conception of culture and creativity for the promotion of development, since the concept of cultural Industry to your application in the socioeconomic scenario of Alagoas. Through bibliographical and exploratory research, in which some authors were used such as Adorno and Horkheimer, with The Critical Theory about "mass culture" and economy and Howkins, Florida, about the current design of the relationship between creativity, culture and economy; Carvalho, on the nearby state economy and Verdi and Pires, on micro and small enterprises; National mappings, which enabled the understanding of the socioeconomic reality of the State.

 

Keywords: Culture Industry, Creative Economy, Enterpreunership.


Biografia do Autor

Orlando Ramos do Nascimento Júnior, Universidade Estadual de Alagoas

Professor Doutor em Admiistração pela PUC_PR

Mestre em Adminstração pela UFAL

Especialista em Gestão pela FTC-Salvador

Economista pela UFAL

Katia Jeane Alves Mota, Universidade Estadual de Alagoas

Mestranda em Dinamicas territoriais e Cultura /Uneal

Especialista em Adminstraçao pública/Bagozzi/Paraná

Administradora de Empresas/Uneal

Luiz Geraldo Rodrigues de Gusmão, Universidade Estadual de Alagoas

Professor Mestre em Gestão Pública/UFPE, Universidade Estadual de Alagoas – Uneal

Erich Gustavo Santos Ramos, UNOPAR

Graduando de Gestão empreendedora, UNOPAR

Referências

ADORNO, T. W; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

ALVES, E. P. M. A Economia Criativa do Brasil: modernização cultural, criação e mercado. Latitude, vol.6, Maceió, 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2002.

CABRAL, L. A. P. Planos de desenvolvimento de Alagoas: 1960-2000. Maceió: EDUFAL; SEPLAN-AL; Fundação Manoel Lisboa, 2005.

CARVALHO, C. P. Economia Popular: Uma Via de Modernização para Alagoas. 5ª Ed. Maceió: EDUFAL, 2012.

CASTELLS, M. La Ciudad de la nueva economía. La Factoría, n. 12, jum.-sep. 2000.

CUNNINGHAM, S.D. From cultural to creative industries: theory, industry, and policy implications. Media International Australia incorporating culture and policy. Quarterly journal of media research and resources, n. 102, 2002.

FIRJAN- FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil. Dezembro de 2014.

FIRJAN- FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil. Diagnósticos e Mapeamentos setoriais. Dezembro de 2016.

FLORIDA, R. The flight of the creative class: the new global competition for talent. [S.I]. Harper Business, 2007.

____________The rise of the creative class. Revisited. Revised and expanded. [S.I.] Basic Books, 2012.

FURTADO, C. Criatividade e dependência na civilização industrial. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

HOWKINS, J. The creative economy: how people make Money from ideas. Tradução: Ariovaldo Griesi. M.Books do Brasil Editora Ltda., 2013.

HUI, D. et al. A study on creativity index. Home Affairs Bureal, The Hong Kong Special Administrative Region Government, 2005.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Contas Regionais. Rio de Janeiro: IBGE, 2005,2010,2015.

IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA. Panorama da Economia Criativa no Brasil. Rio de Janeiro: outubro de 2013.

MACHADO, R. M. Da indústria cultural à economia criativa. Revista Alceu, jan. /Jun. 2009.

MINC- MINISTÉRIO DA CULTURA. Plano Da Secretaria Da Economia Criativa- Políticas, Diretrizes e Ações - 2011 a 2014. 2ª ed. Brasília, 2011.

NOBRE, L. L. M; ALVES, S. S.; SOUZA, E. J.C.de. Políticas públicas de desenvolvimento local do estado de Alagoas: realidade e possibilidades. IV Congresso de pesquisa e inovação da rede norte e nordeste de educação tecnológica. Belém, 2009. Disponível em: <http://connepi2009.ifpa.edu.br/connepi-anais/artigos/47_1048_1561.pdf>. Acesso em: 07 de junho de 2016.

OSTROWER, F. Criatividade e Processos de criação. 9ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

PERCQUEUR, B. 2. Ed. Le développement local. Paris: Syros, 2000.

PIRES, E.;VERDI, A.R. As dinâmicas territoriais locas n globalização: aspectos conceituais e metodológicos. Geosul, Florianópolis, jul./dez.2008.

REIS, A. C. F. (Org.). Economia Criativa como estratégia de desenvolvimento: uma visão dos países em desenvolvimento. Itaú Cultural, Garimpo de Soluções. São Paulo: 2008.

RIBEIRO, R. J. A perda do referencial comum da sociedade: koinonia e particularismo. Trabalho apresentado na Conferência Internacional Mídia e Percepção Social. Rio de Janeiro: UCAM, 1998.

SEBRAE – SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Termo de Referência: Atuação do Sistema Sebrae na Economia Criativa, 2012.

SEBRAE -Termo de Referência da Economia Criativa em Alagoas, Maio e 2013.

SEBRAE- Empresas do segmento por CNA e Porte-2016.

SEPLAG/AL- Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio. Acessado em 16/10/2016; Disponível em: www.gestaopublica.al.gov.br/

SILVERMAN, D. Qualitative research: meanings or practices? Information Systems Journal, v.8, n. 1,p. 3-20,1998.

UNCTAD – UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT. Creative economy report 2010. Creative economy: a feasible development option. U.N.,2010.

UNESCO. Understanding creative industries: cultura statistics for public-policy making. 2006. Disponível em:<http://portal.unesco.org/culture/en/files/30297/11942616973cultural_stat_EN.pdf/cultural_stat_EN.pdf>. Acesso em 21 jul. 2017.

Downloads

Publicado

2018-03-31

Como Citar

Nascimento Júnior, O. R. do, Mota, K. J. A., Gusmão, L. G. R. de, & Ramos, E. G. S. (2018). Perspectivas de Desenvolvimento a partir do Empreendedorismo Criativo em Alagoas. Diversitas Journal, 3(1), 85–101. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v3i1.562

Edição

Seção

Economia, Administração e Desenvolvimento Rural

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)