Brincando e aprendendo com o faz de conta

Autores

  • Claudiene Cordeiro Leandro Bispo Univerdade de Desarrollo Sustentable - UDS

DOI:

https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v3i3.677

Resumo

Este artigo versa sobre uma pesquisa que tem como objetivo analisar a relação entre a brincadeira de faz de conta e o processo de desenvolvimento da criança. A fundamentação teórica apoia-se nos postulados de Vygotsky[1]e seus colaboradores, em suas contribuições sobre o brincar e os elementos que lhe possibilitam. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório. Como procedimentos metodológicos a pesquisa envolveu a observação sistemática de situações de brincadeira livre entre crianças de 3, 4 e 5 anos em uma instituição pública de Campo Alegre - Alagoas. Estruturou-se um ambiente a partir de áreas de interesse das crianças, tais como: casinha, computador, música, leitura, fantasia e beleza. Foram realizadas seis sessões que foram vídeo gravadas. Cada sessão durou em média 20 a 30 minutos. Os dados foram analisados segundo os fundamentos teóricos adotados para esta investigação. As análises indicam que há relação entre o jogo simbólico e o desenvolvimento da criança, que esta se desenvolve na interação social, resolve seus conflitos e supera seus limites conforme as situações de brincadeiras que ela vivencia.

[1] Há uma discordância entre tradutores das obras desse autor, por essa razão encontramos seu nome escrito de formas diferentes. Optamos por manter a escrita em consonância com as obras mais citadas: “Vygotsky”, salvo os momentos de citação ou quando se faz referência a alguma obra específica, no qual a escrita do nome do autor esteja posta de modo diferente.

 

Biografia do Autor

Claudiene Cordeiro Leandro Bispo, Univerdade de Desarrollo Sustentable - UDS

Doutoranda e Mestra em Ciências da Educação pela Universidad de Desarrollo Sustentable – UDS, especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Faculdade Internacional de Curitiba – FACINTER e graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Alagoas – UNEAL. Há 22 anos atuando na área de Educação, com ênfase em Docência (da Educação Infantil ao Ensino Superior), Coordenação Pedagógica e Formação para professores da Educação Básica. Autora de artigos e capítulos de livros nas áreas de sua atuação, tem apresentado seus trabalhos em congressos no Brasil e no exterior. Natural de Alagoas, casada e mãe de dois filhos.

Referências

BRASIL: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996.

COUTINHO, Ângela Maria Scalabrin. Educação Infantil: espaço de educação e cuidado. GT: Educação de crianças de 0 a 6 anos. Anais da 25ª Reunião Anual da ANPED. Caxambu/ MG: 29 de setembro a 02 de outubro de 2002.

FERREIRA, Manuela. Do “Avesso” do Brincar ou… as Relações entre Pares, as Rotinas da Cultura Infantil e a Construção da (s) Instituinte (s) das Crianças no Jardim-de-Infância. Porto: Asa, 2004.

LEONTIEV, A.N. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VYGOTSKY, L.S. et al. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone,1998.

OLIVEIRA, Zilma de Morais Ramos. Psicologia na educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

REGO, Teresa Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Downloads

Publicado

2018-12-07

Como Citar

Bispo, C. C. L. (2018). Brincando e aprendendo com o faz de conta. Diversitas Journal, 3(3), 726–740. https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v3i3.677

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)