Identificação de criadouros utilizados por Aedes aegypti (LINNA.US, 1762) e Aedes albopictus (SKUSE, 1894) (Díptera: Culicidae) em obras de construção civil em Maceió-AL

Autores

  • Elisângela Tavares Universidade Federal de Alagoas
  • Thiago José Matos Rocha Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL
  • Claudia Calheiros Universidade Federal de Alagoas

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.1218

Palavras-chave:

Dengue, larvas, insetos vetores

Resumo

Os mosquitos Aedes aegypti e Ae. albopictus têm grande importância em saúde pública brasileira, pois é responsável pela transmissão de diversas arboviroses destacando-se a dengue e a febre amarela, sendo fundamental o estudo dos principais criadouros dos culícideos, já que as fêmeas utilizam os recipientes como criadouros para oviposição. Assim, este trabalho teve como objetivo identificar a diversidade de possíveis criadouros utilizados por Ae. Aegypti e Ae. albopictus em obras  de construção civil de Maceió-AL. Foram realizados levantamentos in locu em três obras e uma assistência técnica da construção civil na pós entrega da obra, localizadas na parte alta de Maceió, no Farol próximo ao IBAMA (obra A), e no Tabuleiro nas proximidades aos conjuntos Benedito Bentes (obra B e C) e Eustáquio Gomes de Melo, (assistência técnica) através de fotografias dos recipientes e locais passiveis para o armazenamento de água, que possam servir como criadouros do mosquito vetor. Foi realizada uma análise descritiva, através da coleta dos dados nos órgãos oficiais municipais (Secretaria Municipal de Saúde e o Centro de Controle de Zoonoses), dos índices de infestação predial de larvas e pupas de Ae. Aegypti e dos casos humanos da dengue, em Maceió, entre os anos de 2012 a 2014.   Após análise dos dados foi possível verificar que em 2012 foi o ano que mais houve registro de casos humanos de dengue, dos 14,810 notificados, 14,429 foram confirmados. Durante análise nas obras foi identificado manilhas, baldes, betoneira, banheiros, ralos, masseiras, poço de elevador, caixa de água e capacetes.  Essas  diversidades de criadouros artificiais contribuem diretamente na produção de indivíduos adultos, permitindo o aumento na densidade de espécies de mosquitos vetores, assumindo importante risco na dispersão de doenças.

Referências

ALAGOAS. PEAa. Programa de Erradicção do Aedes aegypti. Dengue. 1997.

ARRIAGA, J. T. Control biológico de mosquito vectores importantes de Enfermidades humanas. La voz del consumidor, v.6, n.3, 1988.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 126p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Estratégica e Participativa. Caderno de educação popular e saúde. Brasília, 2007

BRASIL. Ministério da Saúde: Dengue Instruções para pessoal de combate ao vetor: manual de normas técnicas. FUNASA. 3ª edição. Brasília, 2001. 84p.

BRASIL, Ministério da Saúde. Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue. Brasília / DF, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. Brasília / DF, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Dengue: Diagnóstico e Manejo Clínico, 2° edição. Brasília/DF, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Dengue: Diagnóstico e Manejo Clínico – adulto e criança. 2° edição. Brasília/DF, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Dengue: Diagnóstico e Manejo Clínico – adulto e criança. 3° edição. Brasília/DF, 2007.

CAPRA, F. O Ponto de Mutação. A ciência, A Sociedade e a Cultura Emergente. São Paulo, Cultrix, 1982.

CONSOLI RAGB, LOURENÇO-DE-OLIVEIRA R. Principais mosquitos de importância sanitária no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 1994.

CURITIBA PEAa (Plano de Erradicação do Aedes aegypti - 1999 e 2.000)

Dengue disponível em http://www.ioc.fiocruz.br/dengue/textos/oportunista.html Acesso em 13 de março de 2015.

Febre Chikungunya - Causas, Sintomas e Tratamentos Disponível em: <http://www.minhavida.com.br/saude/temas/febre-chikungunya> Acesso em 15 de março de 2015:).

FORATTINI, O. P. Culicidologia Médica. São Paulo: EDUSP, 1996. 28 p.

FORATTINI, O. P. Entomologia médica. São Paulo, Editora da USP, 1962.

GUMBLER, D. J. Vigilancia activa del Dengue y de la Fiebre Hemorragica Del Dengue, Bol.Of. Sanit. Panam. v.107, n.1, p.22-30, 1989.

MACEIO, 2015. Secretaria municipal de saúde.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Dengue Hemorrágica. Diagnóstico, Tratamento, Prevenção e Controle. 2 ed. São Paulo: Livraria Santos Editora Com. Imp. Ltda, 2001. 84p.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE. Dengue y dengue hemorrágico en las Américas: guías para su prevención y control. 3 ed. Washington: Publicación Científica, n. 548, p. 201, 2002.

SANTOS, S. L. Abordagem ecossistêmica aplicada ao controle da Dengue no nível local: Um enfoque com base na Reprodução Social. 2009. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife, 2009.

SILVA, M. A. N. & LOZOVEI, A. L. Criadouros de imaturos de mosquitos (Diptera: Culicidade) introduzidos em mata preservada na área urbana de Curitiba, Paraná, Brasil. Paraná: Revista Brasileira de Zoologia, v. 13, n. 4, p. 1023-1042, 1996.

TAUIL, P. L. Dengue e febre amarela: epidemiologia e controle no Brasil. Rev. Soc. Bras. Méd. Trop., v. 20, n. 1, p. 150-152, 1987.

TAUIL, P. L. Perspectivas de controle de doenças transmitidas por vetores no Brasil. São Paulo: Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 39, n. 3, p. 275-277, 2006.

TAVEIRA, L.A., FONTES, L.R., NATAL, D. Manual de diretrizes e Procedimentos no controle do Aedes aegypti. Ribeirão Preto: Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, Brasil, 2001.

TEIXEIRA, M. G.; BARRETO, M. L. Recent Shift in Age Pattern of dengue Hemorrhagic Fever, Brazil. Emerging Infectious Diseases, v.14, n.10, p.1663, 2008.

TEIXEIRA, M. G.; BARRETO, M. L.; COSTA, M. C. N.; FERREIRA, L. D. A. e VASCONCELOS, P. Dinâmica da circulação do vírus da dengue em uma área metropolitana do Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 12, n.2, p. 87-97, 2003.

VEET VIVARTA. Infância e Consumo: estudos no campo da comunicação. Brasília: ANDI; Instituto Alana, 2009.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-01-01

Como Citar

de Almeida Ferreira , E. T. ., Rocha, T. J. M., & Lins Calheiros, C. M. . (2022). Identificação de criadouros utilizados por Aedes aegypti (LINNA.US, 1762) e Aedes albopictus (SKUSE, 1894) (Díptera: Culicidae) em obras de construção civil em Maceió-AL. Diversitas Journal, 7(1), 0125–0147. https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.1218

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>