Aplicação do conceito de integralidade em sua dimensão política no discurso da atenção psicossocial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v6i4.1465

Resumo

RESUMO: Este artigo apresenta inicialmente evidências sobre a relação do conceito de integralidade com o modelo psicossocial em oposição ao modelo manicomial através de revisão bibliográfica e em seguida fornece uma discussão sobre a presença deste princípio no discurso da Política Nacional de Saúde Mental (PNSM). Trata-se de um ensaio de natureza teórica, o qual tem como objetivo evidenciar o uso do princípio da integralidade na construção do modelo de atenção psicossocial, assim como seus avanços e retrocessos. Partimos da premissa que o modelo de atenção psicossocial surge fundamentado no princípio da integralidade contrapondo-se ao modelo hospitalocêntrico, o qual é fundamentado no cartesianismo apresentando intervenções limitadas aos fatores biológicos, todavia, trata-se de um processo de desconstrução e reconstrução onde ao passo que avança também recai em retrocessos. Concluímos que embora a integralidade tenha impulsionado as mudanças no sistema de saúde levando a substituição do modelo manicomial pelo modelo psicossocial, a presença deste princípio no discurso da PNSM não é suficiente para garantir a continuidade do processo da reforma psiquiátrica.

PALAVRAS-CHAVE: Integralidade, Saúde mental, Reforma psiquiátrica.

 

ABSTRACT: This article initially presents evidence on the relationship of the concept of comprehensiveness care with the psychosocial model as opposed to the asylum model through a literature review and then provides a discussion on the presence of this principle in the discourse of the National Mental Health Policy (PNSM). This is a theoretical essay, which aims to demonstrate the use of the principle of comprehensiveness care in the construction of the psychosocial care model, as well as its advances and setbacks. We start from the premise that the psychosocial care model is based on the principle of comprehensiveness care, in contrast to the hospital-centric model, which is based on Cartesianism, presenting interventions limited to biological factors, however, it is a process of deconstruction and reconstruction where, at the same time, that advances also relapses into setbacks. We conclude that although comprehensiveness care has driven changes in the health system, leading to the replacement of the asylum model by the psychosocial model, the presence of this principle in the PNSM discourse is not enough to guarantee the continuity of the psychiatric reform process.

KEYWORDS: Comprehensiveness care, Mental health, Psychiatric reform.  

Referências

AMARANTE, P.; NUNES, M. de O. A reforma psiquiátrica no SUS e a luta por uma sociedade sem manicômios. Ciência & Saúde Coletiva. V. 23. N. 6. P. 2067-2074, 2018. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csc/v23n6/1413-8123-csc-23-06-2067.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2019.

ALVES, D. S. Integralidade nas políticas de saúde mental. In: PINHEIRO, R. e MATTOS, R. A. (org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. 8ª ed. Rio de Janeiro: CEPESC; IMS/UERJ; ABRASCO. 2009. [on line] p. 171 – 180 Disponível em: < https://www.cepesc.org.br/wp-content/uploads/2013/08/Livro-completo.pdf>. Acesso em: 04 abr. 2019.

BALLARIN, M. L. G. S.; CARVALHO, F. B.; FERIGATO, S. H. Os diferentes sentidos do cuidado: considerações sobre a atenção em saúde mental. O Mundo da Saúde. São Paulo: 2009;33(2):218-224. Disponível em: <http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/67/218a224.pdf > Acesso em: 02 out. 2019

BORGES, F. T. Desafios e perspectivas do Sistema Único de

Saúde (SUS) diante do neoliberalismo. 2012. Tese (Doutorado em Odontologia Preventiva e Social) Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Odontologia de Araçatuba. 182f. Disponível em: <https://repositorio.unesp.br/handle/11449/104216>. Acesso em: 05 jul. 2019.

BRASIL. Centros de Atenção Psicossocial e Unidades de Acolhimento como lugares da atenção psicossocial nos territórios: orientações para elaboração de projetos de construção, reforma e ampliação de CAPS e de UA. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada e Temática. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/centros_atencao_psicossocial_unidades_acolhimento.pdf>. Acesso em: 27 jul. 2019.

_______. Constituição Federal de 1988. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 04 jun. 2019.

_______. Guia prático de matriciamento em saúde mental. Ministério da Saúde: Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva, 2011. 236 p.

______. Nota Técnica nº 11/2019-CGMAD/DAPES/SAS/MS. Disponível em: <https://www.abrasco.org.br/site/wp-content/uploads/2019/02/11_23_14_123_Nota_Te%CC%81cnica_no.11_2019_Esclarecimentos_sobre_as_mudanc%CC%A7as_da_Politica_de_Sau%CC%81de_Mental.pdf>. Acesso em: 03 nov. 2019.

______. Política Nacional de Promoção da Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – 3. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_saude_3ed.pdf>. Acesso em: 03 jun. 2019.

_______. Portaria nº 3.099 de 23 de dezembro de 2011. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3099_23_12_2011.html> Acesso em: 14 out. 2019.

_______. Portaria nº 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Disponível em: <http://138.68.60.75/images/portarias/dezembro2017/dia22/portaria3588.pdf>. Acesso em: 15 out. 2019.

_______. Portaria nº 854 de 22 de agosto de 2012. Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2012/prt0854_22_08_2012.html> acesso em: 14. Out. 2019.

______. Relatório final da 2ª Conferência Nacional de Saúde Mental. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Assistência à Saúde, Departamento de Assistência e Promoção à Saúde, Coordenação de Saúde Mental, 1994. 63p.

______. Relatório final da IV Conferência Nacional de Saúde Mental – Intersetorial. Brasília: Conselho Nacional de Saúde/Ministério da Saúde, 2010, 210p.

______. Relatório final da VIII Conferência Nacional de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. 1986. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/8_conferencia_nacional_saude_relatorio_final.pdf>. Acesso em: 02 mar. 2019.

COSTA-ROSA, A. O modo psicossocial: um paradigma das práticas substitutivas ao modo asilar. In: AMARANTE, P. (org.) Ensaios: subjetividade, saúde mental, sociedade. Rio de Janeiro: Editora FIOCRU; Loucura & Civilização collection. 3ª impressão, 2012. 316 p. [online] Disponível em: < http://books.scielo.org/id/htjgj>. Acesso em: 16 nov. 2018

LANCETTI, A.; AMARANTE, P. Saúde mental e saúde coletiva. In: CAMPOS et al (org). Tratado da Saúde Coletiva. São Paulo: HUCITEC, Rio de Janeiro: Ed Fiocruz, 2006, p. 615-634

LUZIO, C. A.; YASUI, S. Além das portarias: desafios da política de saúde mental. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 15, n. 1, p. 17-26, jan./mar. 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722010000100003>. Acesso em: 23 jul. 2019.

MATTOS, R. A. Os Sentidos da Integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. IN: PINHEIRO, R. ; MATTOS, R. A. (org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: 8ª Edição. CEPESC. IMS/UERJ. ABRASCO. 2009. p. 43 – 68. Disponível em: <https://www.cepesc.org.br/wp-content/uploads/2013/08/Livro-completo.pdf>. Acesso em: 04 abr. 2019.

NASI, C; CARDOSO, A. S. F.; SCHINEIDER, J. F.; OLSCHOWSKY, A.; WETSEL, C. Conceito de integralidade na atenção em saúde mental no contexto da reforma psiquiátrica. reme - Rev. Min. Enferm.;13(1): 139-146, jan./mar., 2009. Disponível em: < http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/174>. Acesso em: 19 jun. 2019

OLIVEIRA, I. C.; CUTOLO, L. R. A. Integralidade: algumas reflexões. Revista Brasileira de Educação Médica. 42 (3): p. 146-152; 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbem/v42n3/1981-5271-rbem-42-3-0146.pdf> Acesso em: 04 jul. 2019.

OLIVEIRA, I. C.; CUTOLO, L. R. A. Percepção dos Alunos dos Cursos de Graduação na Saúde sobre Integralidade. Revista Brasileira de Educação Médica. 2015; 39 (2), 208-217. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022015000200208> Acesso em: 04 jul. 2019

PAIM, J. A constituição cidadã e os 25 anos do Sistema Único de Saúde. In: GOMES, I. M.; FRAGA, A. B.; CARVALHO, Y. M. de. Orgs. Práticas corporais no campo da saúde: uma política em formação [recurso eletrônico]. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2015. P. 21-45.

TANAKA, O. Y.; RIBEIRO, E. L. Ações de saúde mental na atenção básica: caminho para ampliação da integralidade da atenção. Ciência & Saúde Coletiva [online], 14(2):477-486, 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-81232009000200016&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 07 ago. 2019.

ZAMBENEDETTI. G.; SILVA, R. A. N. A noção de rede nas reformas sanitária e psiquiátrica no Brasil. Psicologia em Revista, 14(1), 131-150. 2008. Disponível em: Acesso em: 22 ago. 2019.

Downloads

Publicado

2021-10-19

Como Citar

Gadelha, D. B. C., & Catanio, P. A. G. (2021). Aplicação do conceito de integralidade em sua dimensão política no discurso da atenção psicossocial. Diversitas Journal, 6(4), 3930–3948. https://doi.org/10.48017/dj.v6i4.1465