Levantamento de fungos micorrízicos arbusculares em associação a espécie vegetal Manihot esculenta Crantz

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v6i4.1813

Palavras-chave:

FMA, colonização micorrízica, mandioca

Resumo

RESUMO: A produção da mandioca no estado de Alagoas é realizada em sua grande parte por pequenos produtores rurais que adotam pouca tecnologia de manejo, e que tem por rotina não repor os nutrientes devido ao custo elevado dos insumos químicos. Nesse modelo de produção agrícola, o conhecimento e uso de estratégias que incluam processos biológicos naturais no solo, principalmente da microbiota presentes nesse ambiente, como os fungos micorrízicos arbusculares (FMA) podem apresentar-se como uma alternativa para a biofertilização, uma vez que, micorrizas arbusculares são associações simbióticas estabelecidas entre as raízes da maioria das plantas e fungos não patogênicos do solo que têm efeitos benéficos, podendo melhorar o crescimento e a produtividade da planta e na estrutura dos solos. Assim, objetivou-se com o presente trabalho avaliar a densidade de glomerosporos e os gêneros de FMA autóctones presentes na rizosfera da mandioca, variedade Sergipana, assim como determinar a colonização micorrízica na cultura avaliada. Foram realizadas coletas de solo na rizosfera da mandioca, aos 90, 180, 270 e 360 dias após o plantio (DAP). Foi avaliado o número médio de glomerosporos em cada tratamento aos 90, 180, 270 e 360 DAP, e os principais gêneros de FMA presentes, e realizada avaliação da colonização micorrízica das raízes aos 360 DAP. O cultivo da mandioca mostrou um aumento de cerca de 174,46% aos 360 DAP apresentando diferença significativa na densidade de FMAs quando comparada ao período de 90 DAP. Foi observada a presença dos gêneros Diversispora sp, Entrophospora sp, Acaulospora sp, Scutellospora sp, e Racocetra sp. no cultivo, e resultado positivo para colonização micorrízica, apresentando taxa de 61% de colonização das raízes da espécie vegetal avaliada.

PALAVRAS-CHAVE: FMA, colonização micorrízica, mandioca.

 

ABSTRACT: Cassava production in the state of Alagoas is mostly carried out by small rural producers who adopt little management technology, and who routinely do not replace nutrients due to the high cost of chemical inputs. In this agricultural production model, the knowledge and use of strategies that include natural biological processes in the soil, mainly of the microbiota present in this environment, such as arbuscular mycorrhizal fungi (AMF), can be presented as an alternative for biofertilization, since, Arbuscular mycorrhizae are symbiotic associations established between the roots of most plants and non-pathogenic fungi in the soil that have beneficial effects, which can improve plant growth and productivity and soil structure. Thus, the aim of this study was to evaluate the density of glomerospores and the native AMF genera present in the rhizosphere of cassava, Sergipana variety, as well as to determine mycorrhizal colonization in the evaluated culture. Soil collections were made in the cassava rhizosphere, at 90, 180, 270 and 360 days after planting (DAP). The average number of glomerospores in each treatment was evaluated at 90, 180, 270 and 360 DAP, and the main AMF genera present, and an evaluation of mycorrhizal colonization of the roots at 360 DAP was performed. Cassava cultivation showed an increase of approximately 174.46% at 360 DAP, showing a significant difference in the density of AMFs when compared to the 90 DAP period. The genera Diversispora sp, Entrophospora sp, Acaulospora sp, Scutellospora sp, and Racocetra sp. in cultivation, and a positive result for mycorrhizal colonization, with a 61% rate of colonization of the roots of the evaluated species.

KEYWORDS: AMF, mycorrhizal colonization, mandioca.

Referências

ALBURQUERQUE, J.A.A. et al.. Interferência de plantas daninhas sobre a produtividade da mandioca (Manihot esculenta) Weed interference in cassava (Manihot esculenta) yield. Planta Daninha, v. 26, n. 2, p. 279-289, 2008.

ALVES, A. A. C., Fisiologia da mandioca. In: SOUZA, L.S. et al. Aspectos socioeconômicos e agronômicos da mandioca. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, 138-169. 2006.

AZEVÊDO, Cláudio Luiz Leone et al.. Levantamento de plantas daninhas na cultura da mandioca, em um ecossistema semi-árido do Estado da Bahia. Magistra, v. 12, n. 1, p. 41-49, 2000

BALOTA, E.L. et al.. Ocorrência de bactérias diazotróficas e fungos micorrízicos arbusculares na cultura da mandioca. Perquisa Agropecuária Brasileira. v. 34, n. 7, p. 1265-1276. 1999.

BONFANTE, Paola; REQUENA, Natalia. Dating in the dark: how roots respond to fungal signals to establish arbuscular mycorrhizal symbiosis. Current opinion in plant biology, v. 14, n. 4, p. 451-457, 2011.

BRANDÃO, Thaysa Barbosa Cavalcante. Caracterização da qualidade da farinha de mandioca no agreste alagoano. 2007. Tese de Doutorado. Dissertação (Mestrado em Nutrição)–Universidade Federal de Alagoas, Faculdade de Nutrição. Programa de Pós-Graduação em Nutrição. Maceió.

BRUNDRETT, M. Mycorrhizas in Natural Ecosystems. Advances in Ecological Research, v. 21, p. 171-313. 1991.

BURNS, Anna Elizabeth et al. Variations in the chemical composition of cassava (Manihot esculenta Crantz) leaves and roots as affected by genotypic and environmental variation. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 60, n. 19, p. 4946-4956, 2012.

CANHOS, V. P.; VAZOLLER, R. F. A importância das coleções biológicas. Scientific American Brazil, p. 20, 2004.

CANHOS, V. P.; VAZOLLER, R. F. Coleções de culturas de serviços e centros de recursos biológicos. Brasília, DF: Centro de Referência em Informação Ambiental, 2005.

CARDOSO, C., E. L. Competitividade e Inovação na Cadeia Agroindustrial de Fécula de mandioca no Brasil. 2003. 188f. Tese de Doutorado. ESALQ/ Escola Superior de Agronomia Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba/SP, 2003.

CARNEIRO, Marco AC et al. Micorriza arbuscular em espécies arbóreas e arbustivas nativas de ocorrência no sudeste do Brasil. Cerne, v. 4, n. 1, p. 129-145, 1998.

CARRENHO, R. et al.. Fungos micorrízicos arbuscuclares em agroecossistemas brasileiros In: SIQUEIRA, J.O., SOUSA, F.A., CARDOSO, EJ.B.N., TSAI, S.M., Micorrizas: 30 anos de pesquisa no Brasil. Lavras, Editora UFLA, 2015-250. 2010.

CHISTE, Renan Campos et al. Estudo das propriedades físico-químicas e microbiológicas no processamento da farinha de mandioca do grupo d'água. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, v. 27, n. 2, p. 265-269, 2007.

CLIMATEMPO. Climatologia de Lagoa da Canoa – AL. Disponível em: < https://www.climatempo.com.br/climatologia/5717/lagoadacanoa-al> Acesso em: 16 de mar. 2020.

CRUZ, J. L.; PELACANI, R. Fisiologia da mandioca. In: CURSO NACIONAL DE MANDIOCA, 8., 1993, Cruz das Almas. (Anais) Cruz das Almas: Embrapa/CNPMF, p. 38, 1993.

DE MELLO, Andrea Hentz et al. Fungos arbusculares e ectomicorrízicos em áreas de eucalipto e de campo nativo em solo arenoso. Ciência Florestal, v. 16, n. 3, p. 293-301, 2006.

DURAZZINI, Ana Maria Sá et al. Fungos micorrízicos arbusculares em solos sob diferentes cultivos. Revista Agrogeoambiental, v. 1, n. 1, 2009.

EZETA, F. N.; CARVALHO, PCL de. Influência da endomicorriza na absorção de P e K e no crescimento da mandioca. Revista Brasileira Ciencia Solo, v. 6, p. 25-28, 1982.

FAGBOLA, O., OSONUBI, O., MULONGOY, K. Contribution of arbuscular mycorrhizal fungi and hedgerow trees to the yield and nutrient uptake of cassava in an alley-cropping system. The Journ of Agricultural Science, v. 131, n. 1, p. 79-85. 1998.

GERDEMANN, J.W. Vesicular-arbuscular mycorrhizae. In: TORREY, J.G.; CLARKSON, D.T., editors. The development and function of roots. London: Academic Press; 1975. p. 91-575.

GERDEMANN, J.W.; NICOLSON, T.W. Spores of mycorrhizal endogone species extracted from soil by wet sieving and decanting. Transactions of the British Mycological Society, Cambridge, v. 46, n. 2, p. 235-244. 1963

GIOVANNETTI, M.; MOSSE, B. An evaluantion of techniques for measuring vesicular arburcular mycorrhizal infection in roots. New phytologist, v.84, p.489-500, 1980.

GOMIDE, P.H.O. et al.. Diversidade e função de fungos micorrízicos arbusculares em sucessão de espécies hospedeiras. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.44, n.11, p.1483-1490, 2009.

Gonçalves, V.A. et al.. Biomassa e atividade microbiana de solo sob diferentes sistemas de plantio e sucessões de culturas. Revista de Ciências Agrárias, v. 62. 2019.

HOWELER, R. H.; SIEVERDING, E.; SAIF, S. Practical aspects of mycorrhizal technology in some tropical crops and pastures. In: Plant and Soil Interfaces and Interactions. Springer, Dordrecht, 1987. p. 249-283.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Levantamento sistemático da Produção Agrícola. Disponível em: Acesso em abril de 2017.

INVAM. International Culture Collection of (Vesicular) Arbuscular Mycorrhizal Fungi. <https://invam.wvu.edu/>.

JEFFRIES, Peter et al. The contribution of arbuscular mycorrhizal fungi in sustainable maintenance of plant health and soil fertility. Biology and fertility of soils, v. 37, n. 1, p. 1-16, 2003.

JENKINS, W.R. A rapid centrifugal flotation technique for separating nematodes from soil. Plant Disease Reporter, St. Paul, v. 48, p. 692.1964

KATO, O.R. et al.. Efeito de diferentes espécies de fungos micorrízicos vesículo-arbusculares no crescimento e nutrição da mandioca. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.25, n. 8, p.117-1181, 1990.

LINS, Cláudia Elizabete de Lima et al. Efeito de fungos micorrízicos arbusculares no crescimento de mudas de Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit. em solos de caatinga sob impacto de mineração de cobre. Revista Árvore, v. 31, n. 2, p. 355-363, 2007.

LOPES, E.A.P. Interação Bactérias Promotoras de Crescimento em Plantas e Glomus clarum na Mandioca (Manihot esculenta Crantz) Micropropagada. Recife: UFRP, 2015. 133 f. Tese (Doutorado em Ciências do Solo) – Programa de Pós-Graduação em Ciências do Solo, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2015.

MAIA, L.C. & YANO-MELO, A.M. Germination and germ tube growth of the arbuscular mycorrhizal fungi Gigaspora albida in different substrates. Brazilian Journal of Microbiology, v. 32, n. 4, p. 281-285, 2001.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA (MCT). Diretrizes e estratégias para a modernização de coleções biológicas brasileiras e a consolidação de sistemas integrados de informação sobre biodiversidade. Brasília. 2006.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE – MMA. A Convenção sobre Diversidade Biológica – CDB: Cópia do Decreto Legislativo no. 2, de 5 de junho de 1992. Brasília, 2000.

MIRANDA, J.C.C.; FIALHO, J.F.; MIRANDA, L.N. Importância da Micorriza Arbuscular para o Cultivo de Mandioca na Região do Cerrado. Embrapa Cerrados. Comunicado Técnico. Palatina, DF. ISSN: 1517-1469. 2005.

MIRANDA, Jeanne Christine Claessen de. Cerrado: Micorriza Arbuscular-ocorrência e manejo. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2008.

MOREIRA, F.; SIQUEIRA, J. O. Microbiologia e Bioquímica do Solo. 2ªedição. Editora UFLA, 2006.

MORTON, J.B., BENTIVENGA, S.P., WHEELER, W.W. Germ plasm in the International Collection of Arbuscular and Vesicular-Arbuscular Mycorrhizal Fungi (INVAM) and procedures for culture development, documentation and storage. Mycotaxon 48, 421-528. 1993.

PAULA, M.A. et al.. Benefícios da suspenção de células vegetais para os fungos micorrízicos vesículo- arbusculares in vitro. III. Efeitos de diferentes meios de cultivo. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 25, n. 8, p. 1117-1124, 1990.

PHILLIPS, J.M.; HAYMAN, D.S. Improved procedures for clearing roots and staining parasitic and vesicular-arbuscular mycorrhizal fungi for rapid assessment of infection. Transactions of the British Mycological Society, v.55, p.158-161, 1970.

SANTIAGO, Antonio Dias et al. Levantamento exploratório da cadeia produtiva da farinha de mandioca no agreste de Alagoas. In: XI CONGRESSO BRASILEIRO DA MANDIOCA, Campo Grande. 2005.

SCHNEIDER, J.; KLAUBERG FILHO, O.; FONTOURA, S. M.; ALVES, M. V. Influência de diferentes sistemas de manejo e calagem em experimento de longa duração sobre fungos micorrízicos arbusculares. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 35, n. 4, p. 701-709, 2011.

SIQUEIRA, J.O. et al.. Micorrizas: 30 anos de pesquisa no Brasil. Lavras: UFLA, 2010. 716 p.

SIQUEIRA, J.O.; COLOZZI-FILHO, A.; OLIVEIRA, E. de. Ocorrência de micorrizas vesicular-arbusculares em agro e ecossistemas do Estado de Minas Gerais. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 24, n. 12, p. 1499-1506, 1989.

SOUZA, F.A.; SILVA, E.M.R. Micorrizas arbusculares na revegetação de áreas degradadas. In: Avanços em fundamentos e aplicação de micorrizas (J.O. Siqueira, ed.). UFLA/DCS e DCF, Lavras, p.255-290. 1996.

SOUZA, RENATA G. et al.. Diversidade e potencial de infectividade de fungos micorrízicos arbusculares em área de caatinga, na Região de Xingó, Estado de Alagoas, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v. 26, n. 1, p. 49-60, 2003.

SOUZA, V.C. de et al.. Estudos sobre fungos micorrízicos. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande – PB, v. 10, n. 3, p. 612-618, 2006.

STÜMER, S.L.; SAGGIN-JÚNIOR. Bancos de germoplasma de Glomeromycota no Brasil. In: SIQUEIRA, J.O. et al. Micorrízas: 30 anos de pesquisa no Brasil. Lavras: UFLA, 2010. p. 525 – 550.

TAMASLOUKHT, M’Barek et al. Root factors induce mitochondrial-related gene expression and fungal respiration during the developmental switch from asymbiosis to presymbiosis in the arbuscular mycorrhizal fungus Gigaspora rosea. Plant Physiol., v. 131, n. 3, p. 1464-1478, 2003.

VANDENKOORNHUYSE, P. et al. Arbuscular mycorrhizal community composition associated with two plant species in a grassland ecosystem. Molecular Ecology, v. 11, n. 8, p. 1555-1564, 2002.

Downloads

Publicado

2021-10-19

Como Citar

Silva, W. F. da, Lima, A. M. da S., & Lopes, E. A. P. (2021). Levantamento de fungos micorrízicos arbusculares em associação a espécie vegetal Manihot esculenta Crantz. Diversitas Journal, 6(4), 3779–3795. https://doi.org/10.48017/dj.v6i4.1813

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)