A Cidade na pandemia da Sars Cov-19:

a agonização do Flâneur e a sobrevivência do trapeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.1875

Resumo

Esse texto tem como principal propósito discutir a situação da cidade e de sua passagem de lugar de consumo para lugar de resiliência, culminando na morte da flanérie. A partir de um olhar benjaminiano, procura-se construir um diálogo entre a filosofia de Walter Benjamim, a Geografia e a Literatura como uma condição de possibilidade desse novo momento do urbano durante a pandemia da covid-19. Buscou-se no pensamento de Walter Benjamim algumas reflexões acerca da situação do homem moderno na Paris de Charles Baudelaire, em que o filósofo oferece um conjunto de imagens e diagramas desse poeta lírico moderno – esgrimista, boêmio, flâneur, detetive, trapeiro, jogador e prostituto –, a fim de que possamos ler a cidade e suas imagens nesse momento de pandemia, na geografia poética do espaço urbano. Elas são as imagens que formam a constelação da tarefa heroica ou anti-heroica do poeta que elegeu a alegoria como a forma singular de tratar da modernidade, nesse caso ressaltando a figura do flâneur e do trapeiro como o alegorista representante da modernidade na capital do consumo, a Paris do século XIX. Assim, pousaremos o olhar na figura do flâneur e no seu desaparecimento no momento pandêmico e na condição de resiliência do sistema urbano e suas perturbações.

Palavras-chave: Cidade. Modernidade. Mercadoria. Capitalismo

Referências

BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Tradução de Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BAUMAN, Sigmund. La società dell’incertezza. Bologne: Mulino, 1999.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire um lírico no auge do capitalismo. Tradução de José Carlos Martins Barbosa e Hemerson Alves Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1989. V. 3

______. Magia e técnica, arte e política. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

______. O Narrador. In. BENJAMIN, Walter. Os pensadores. Tradução de Modesto Carone. São Paulo: abril Cultural, 1980.

______. O Trabalho das passagens. Tradução de Sônia Campaner Miguel Ferrari. Cadernos de filosofia alemã, v. 3, 1997.

______. Origem do drama barroco alemão. Tradução de Sérgio P. Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BOLLE, Willi. Fisiognomia da Metrópole Moderna: representação da História em Walter Benjamim. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2000.

BOURDIN, Alain. La ville malade du coronavirus. 2020. Disponível em: http://www.riurba.review/2020/04/la-ville-malade-du-coronavirus/. Acesso em: 2 abr. 2020.

DICKEN, Charles. As aventuras de Pickwick. Porto Alegre: Globo, 1951.

DINIZ, Davidson de Oliveira. Walter Benjamin e as Passagens: uma narratividade poética do histórico. Cadernos Benjaminianos, n. 1, p. 74-93, dez. 2019. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/cadernosbenjaminianos/article/view/5303/4711. Acesso em: 07 set. 2020.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e narrativa em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, FAPESP; Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1994.

LE BRETON, David. Le marcheur (Loucação de ) : Laure Adler. À retrouver dans l'émission Horschamps par Laure Adler. France Culture, lundi 25, mai 2020. Podcasts. Disponível em: https://www.franceculture.fr/emissions/hors-champs/david-le-breton. Acesso em: 09 ago. 2020.

MARCUSE, Herberth et al. Ecologia e revolução. Ecologia contra poluição. Lisboa: Dom Quixote, 1973.

MARX, Carlos. El capital. México: Fondo de Cultura Econômica, 1959.

MARX, Karl. Manifesto do partido comunista. Obras escolhidas. São Paulo: Alfa - Omega, [s.n.].

MISSAC, Pierre. Passagem de Walter Benjamin. Tradução de Lílian Escorel. São Paulo: Iluminuras, 1998.

NUVOLATI Giampaolo. Le flâneur dans l’espace urbain.Géographie et cultures, v.70, 2009. Disponível em: URL:http://journals.openedition.org/gc/2167. Acesso em: 02 out. 2020.

SANTOS NETO, Artur Bispo dos. A interpretação alegórica do mundo da filosofia de Walter Benjamim. Maceió: EDUFAL. 2007

SANTOS, Patrícia da Silva. Benjamin e Kracauer: elementos de uma epistemologia de "trapeiros". Sociol. Antropol. v. 3, n. 6, p. 489-508, dez. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2238 38752013000600489&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 07 set. 2020.

TOUBIN, Marie et al.La Résilience urbaine: un nouveau concept opérationnel vecteur de durabilité urbaine ? Développement durable et territoires, v. 3, n. 1, maio 2012. Disponível em: http://journals.openedition.org/developpementdurable/9208.Acesso em: 28 out. 2020.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-01-01

Como Citar

da Silva Santos Amaral, V., & Ferreira da Silva Viegas, M. E. (2022). A Cidade na pandemia da Sars Cov-19:: a agonização do Flâneur e a sobrevivência do trapeiro. Diversitas Journal, 7(1), 0329–0340. https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.1875