Plantas indesejadas ou alimentos nutritivos? análise de aceitação e viabilidade do consumo de plantas alimentícias não convencionais (PANC’s)

Autores

  • Bárbara Silva Universidade Federal do Agreste de Pernambuco
  • Luciano Pires de Andrade Universidade Federal do Agreste de Pernambuco - UFAPE

DOI:

https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.2060

Palavras-chave:

Caatinga, Nordeste, PANC'S, Alimentação, Caatinga, Nordeste, PANC’S

Resumo

Plantas alimentícias são aquelas que possuem uma ou mais partes ou produtos que podem ser utilizados na alimentação, como: raízes, tubérculos, bulbos, rizomas, talos, folhas, brotos, flores, frutos e sementes ou ainda látex, resina e goma, ou que são usadas para obtenção de óleos e gorduras comestíveis. Muitas plantas são denominadas "daninhas" ou "inços", pois medram entre as plantas cultivadas, porém, são espécies com grande importância ecológica e econômica, essas plantas chamadas de Plantas Alimentícias Não Convencionais - PANC’S (Unconventional food plants), termo citado inicialmente por Kinupp & Lorenzi para descrever esse tipo de planta negligenciada, podem ser fontes alternativas de nutrientes, principalmente vitaminas e sais minerais. O objetivo desta investigação foi levantar informações na literatura sobre as Plantas Alimentícias Não Convencionais e qual o potencial existente na caatinga, bioma do Agreste Pernambucano, conectando os resultados encontrados com a compreensão da comunidade acadêmica a respeito dessa vegetação e o nível da aceitação do consumo das mesmas. O trabalho foi dividido em três etapas: um levantamento bibliográfico nas plataformas digitais Scholar Google (Google Acadêmico) e SciELO, duas exposições exploratórias e um formulário (no Google Forms) com alguns questionamentos. Do resultado obtido no questionário percebe-se que existe um conhecimento difundido sobre as PANCs, considerando que das 98 respostas, às analisadas estiveram com a média acima de 50%.

Referências

ABRAS, M.F. PANC’s: a cultura alimentar de hortaliças tradicionais na modernidade. Belo Horizonte, 2018. 145f.

BARREIRA, T.F.; PAULA FILHO, G.X.; RODRIGUES, V.C.C.; ANDRADE, F.M.C.; SANTOS, R.H.S.; PRIORE, S.E.; PINHEIRO-SANT'ANA, H.M. Rev. Bras. Pl. Med., Campinas, v.17, n.4, supl. II, p.964-974, 2015.

GONÇALVES, E. G. The Commonly Cultivated Species of Xanthosoma Schott (Araceae), including Four New Species. Aroideana, 34: 3-23, 2011.

KELEN, M. E. B.; NOUHUYS, I. S. V.; KEHL, L. C.; BRACK. P.; SILVA, D.B. Plantas alimentícias não convencionais (PANCs): hortaliças espontâneas e nativas. (1a ed.). UFRGS, Porto Alegre, 2015. Disponível em: <https://www.ufrgs.br/viveiros comunitarios/ wp-content/uploads/2015/11/Cartilha-15.11-online.pdf>. Acesso: 22.07.2016.

KINUPP, V.F.; LORENZI, H. Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. 1ª ed. Ed. Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2014.

KINUPP, Valdely Ferreira; BARROS, Ingrid Bergman Inchausti de. Riqueza de Plantas Alimentícias Não-Convencionais na Região Metropolitana de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 1, p. 63-65, jul. 2007.

LEAL M.L.; ALVES R.P.; HANAZAKI N. Knowledge, use, and disuse of unconventional food plants. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine (2018) 14:6, p. 1-9, 2018.

LIBERALESSO, Andréia Maria. Revista Geama (ISSN 2447-0740). Syagrusschizophylla: Planta Alimentícia Não Convencional do Bioma Caatinga com elevado valor calórico. Padilha et al 2017.

LIBERALESSO, Andréia Maria.O futuro da alimentação está nas plantas alimentícias convencionais (PANC’S)?. Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, vols. 13/14, p.266-278, 2016/2017.

LIBERATO P. D. S.; LIMA D. V. T.; SILVA G. M. B. D. PANCs - PLANTAS ALIMENTÍCIAS NÃO CONVENCIONAIS E SEUS BENEFÍCIOS NUTRICIONAIS. Environmental Smoke, João Pessoa, v. 2, n. 2, p. 102-111, 2019.

MAGALHÃES F. E. L. et. al. Análise e aceitação da utilização de pancs na receita de pão com ora-pro-nóbis em jovens de um centro universitário de Brasília. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 5, n. 10, p. 17659-17669, out. 2019.

MAPA. Manual de hortaliças não-convencionais. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Brasília: Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo, 2010. 92 p.

MOTA, Janine da Silva. Utilização do Google forms na pesquisa acadêmica.

Revista Humanidades e Inovação, Tocantins, v.6, n.12 - 2019.

RIBEIRO P.D.A. et al. Ora-pro-nóbis: cultivo e uso como alimento humano.

Em Extensão, Uberlândia, v. 13, n. 1, p. 70-81, jan. / jun. 2014.

SOARES E.L.C. et al. Estudo Etnobotânico do uso de recursos vegetais em São João do Polêsine, RS, Brasil, no período de outubro de 1999 a junho de 2001. I- Origem e fluxo de conhecimento. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 6, n.3, p. 69-95, 2004.

SOUZA, M. T.; SILVA M. D.; CARVALHO R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo) 8 (1) • Jan-Mar 2010.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-01-01

Como Citar

Silva, B., & de Andrade, L. P. . (2022). Plantas indesejadas ou alimentos nutritivos? análise de aceitação e viabilidade do consumo de plantas alimentícias não convencionais (PANC’s). Diversitas Journal, 7(1), 0082–0089. https://doi.org/10.48017/dj.v7i1.2060